por Aguinaldo Gabarrão (*)

A fotografia nestes últimos anos banalizou-se tanto que o grande problema para muitas pessoas é a incapacidade de armazenar em seus sofisticados celulares — que servem para tudo, menos para fazer ligações — a imensa quantidade de registros que vão de um prato de comida até coisas e situações bizarras, como uma selfie, tendo ao fundo um prédio que veio abaixo após um incêndio.

Mas, ainda há àqueles que conseguem com seu olhar sensível e visão de mundo trazer à discussão um sentido e a razão para se fotografar. Assim é o filme A Câmera de Claire.

Manhee (Kim Min-hee) é agente de filmes e foi demitida por sua superiora, sem qualquer explicação. Durante o Festival de Cannes ela conhece e desenvolve uma amizade com Claire (Isabelle Huppert), professora de música apaixonada por eternizar momentos com sua Polaroid. E por meio das fotografias de Claire, pequenos detalhes sobre a vida de ambas começam a ser revelados.

“Olho depois, bem devagar” === Claire, deliciosamente interpretada pela atriz francesa Isabelle Huppert (Melhor Atriz do Globo de Ouro 2017), amarra as histórias das personagens retendo na fotografia Polaroid, um momento que não se repetirá, mas que pode ser observado com outras possibilidades de leitura.

O diretor e roteirista coreano Hong Sang-Soo desenvolve a história sem grandes sobressaltos ou pontos de virada. Seu objetivo, ao contrário, é convidar o público a observar que cada momento tem o seu tempo particular e não corresponde a essa velocidade insana do mundo contemporâneo.

Revisitar a própria fotografia é buscar a sua essência, é olhar para dentro de si e do outro e valorar o tempo pelo momento em que se vive aquele instantâneo eternizado no Polaroid.

Planos e diálogos longos === As personagens ora estão sentadas à mesa em planos de longa duração, o que obriga o bom elenco a explorar suas ações interiores e tornar cada gesto sutil, digno de deleite e reflexão para o público.

Outra marca interessante deste diretor, é trazer uma naturalidade visual a posturas dos atores, que vez ou outra, ficam de costas para a câmera, enquanto contracenam com os demais. Tudo em seu cinema é mínimo, porém intenso de significados filosóficos.

A Câmera de Claire é um exercício artístico sofisticado de Hong Sang-Soo, que sem pudor, revela pela boca de sua personagem Claire, que “a única possibilidade de mudar as coisas é olhar para elas no modo em que estão”.

Assista ao trailer do filme: 

 

FICHA TÉCNICA

A CÂMERA DE CLAIRE – ( Título original:  La caméra de Claire)  ==   Distribuição: Pandora Filmes

Direção e Roteiro: Hong Sang-Soo / Fotografia: Jinkeun Lee / Edição: Hahm Sung-Won / Música: Dalpalan / Elenco: Isabelle Huppert, Kim Minhee, Jang Mi Hee, Shahira Fahmy, Jin-yeong Jeong

Gênero: Drama / Duração: 1 hora e 9 minutos

Classificação indicativa: 12 anos / País: Coréia do Sul / Ano de Produção: 2017

Lançamento: 24 de maio de 2018 (Brasil)


 

(*) Aguinaldo Gabarrão, ator. Trabalhou com diretores de diferentes estilos e gerações. Adora cinema. Atua também no segmento corporativo por meio de cursos, treinamentos e palestras com as técnicas do teatro.


Nota da Redação: As críticas publicadas neste espaço são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões nelas emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do “DiárioZonaNorte” e nem de sua direção.


 

 

sicredi_institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora