da Redação DiárioZonaNorte  ===  

“Nunca participei de um encontro como este, de conteúdo democrático, participativo,  sem ser político, sem discussões vazias, mas com perspectivas reais para região”, foi o comentário de um empresário que traduz quase  que  unanimamente o pensamento de vários dos presentes.  Foi uma noite de cidadania, mesclada com uma  aula magna de urbanismo e desenvolvimento econômico, com exatas  quatro horas e meia – com início às 17h30, no  auditório do moderno prédio da Totvs (inaugurado em julho passado com 5.300 m2 – www.totvs.com.br ), na Av. Braz Leme-Casa Verde.   No palco, três poltronas dispostas para receber os condutores das ideias e dos projetos. Ali, sentaram-se o Secretário Municipal das Prefeituras Regionais, Cláudio Carvalho; o arquiteto e urbanista Benedito Abbud; e o vereador José Police Neto (PSD) – sociólogo  e especialista em finanças públicas.

Nesta 2ª feira (11/12/2017),  o foco foi a construção do  “Plano de Desenvolvimento da Zona Norte” , onde temas como  Parque do Campo de Marte, Arco do Tietê e Privatização do Anhembi foram apresentados para uma  plateia de  cerca de 90 pessoas  divididas entre  importantes empresários e comerciantes, jornalistas, arquitetos e engenheiros,  além de representantes de várias entidades e associações das regiões próximas – principalmente,  Casa Verde, Jardim São Bento, Av. Braz Leme e Santana.

Há mais de trinta anos, a Zona Norte não vê resultados positivos de investimentos em várias áreas. “Av. Nova (Luiz Dumont Villares) foi a última inauguração que aconteceu há trinta e cinco anos atrás e parou no tempo”, lembrou o vereador José Police Neto. Muitos projetos e nada foi em frente em todo esse tempo, com governos e muitos personagens nas promessas. Investimentos foram deslocados em outras regiões da cidade.

Com o posicionamento de “espalhar os problemas sobre a mesa”, a abertura do encontro foi do ex-prefeito regional de Santana/Tucuruvi/Mandaqui,  o engenheiro  Antonio Manoel Esteves, um profundo conhecedor da região.

RUMO DE DESENVOLVIMENTO === “Quem está aqui é quem faz diferença na Zona Norte, que faz essa roda girar e quem tem visão para o futuro. Que sabe para onde vai, sabe como ir e para onde levar a Zona Norte“, sintetizou Esteves. Depois das apresentações, o primeiro a falar foi o vereador José Police Neto.  “O Rumo Norte é um rumo de desenvolvimento para a cidade, que pode nos brindar com o desenvolvimento sustentável, bastante equilibrado. Uma região que preserva áreas verdes poderosas e pode, a partir de desenhos e projetos com muita qualidade,  ter na segunda metade do século o desenvolvimento que a cidade de São Paulo teve e olhou pouco para a Zona Norte”, declarou Police Neto, deixando muito claro a necessidade de estabelecer o  que poderá ser feito nos próximos três anos,  quais os desafios e quais as oportunidades na Zona Norte.

O PARQUE DO CAMPO DE MARTE === O  arquiteto e urbanista Benedito Abbud, abraçou a ideia de projetar o Parque Campo de Marte, doando o projeto para a cidade. Com uma sequência de  slides no telão,  Abbud explicou os detalhes e a preocupação com as áreas de lazer e  preservação do meio ambiente.  “Foi muito importante e um prazer desenhar esse parque como presente à Zona Norte”, lembrou.

O projeto divide o Parque Campo de Marte em  quatro partes:  1 – Parque – com 270 mil metros quadrados;  2 – Campos de futebol  – onde haverá um CDC – Clube da Comunidade;  3 – Museu Aeroespacial – que terá 80 mil metros quadrados;  e 4 – Esplanada Multiuso – local para abrigar os carros alegóricos no Carnaval e uso no resto do ano para outras atividades.  Haverá árvores Pau Brasil, ciclovias, trilhas de caminhada, cachorródromo,  sanitários, administração com salas de cursos, quadras poliesportivas, áreas de piquenique, áreas de meditação, brinquedos etc.  Veja matéria  aqui

O ORÇAMENTO  ===  Com o orçamento  2018 na pauta da  Câmara dos Vereadores de São Paulo,  existe uma perspectiva de um ano melhor para a administração municipal. Para falar sobre o assunto,  o Secretário das Prefeituras Regionais, Claudio Carvalho Lima.

QUEM É CLAUDIO CARVALHO == Ele é oriundo do mercado imobiliário onde construiu uma carreira de sucesso e foi vice-presidente da Construtora Cyrela.   Convidado pelo prefeito João Doria para ser o titular da  Secretaria Especial de Investimento Social, pasta criada em junho e extinta no final de setembro, quando Carvalho passou a responder pela Secretaria das Prefeituras Regionais no lugar do vice-prefeito Bruno Covas. O estilo de trabalho do novo secretário já pode ser percebido, em pouco tempo,  por meio do  novo impulso nos serviços de zeladoria das prefeituras regionais.

REGIÃO PARADA NO TEMPO === Claudio Carvalho lembra que  “nossa região ficou muito estrangulada nos últimos anos, sem investimentos”. Grandes empreendedores imobiliários investiram por toda a cidade e agora, depois de 20 anos, estão retornando à Zona Norte.  “A gente está cansado  de sair daqui para trabalhar na Zona Sul e  aqui tem que ter bons locais, boas empresas que tragam os investimentos para cá”., arrematou.

LITÍGIO DUROU  77 ANOS  ===   A privatização do Anhembi e a implantação do Parque do Campo de Marte são oportunidades únicas para atrair esses investimentos na região.  Sobre o Parque Campo de Marte, tanto Carvalho como Police Neto, concordaram que as atuações do prefeito João Doria,  do  Ministro da Defesa  Raul Jungmann e do major-brigadeiro do ar Marcelo Kanitz Damasceno – chefe do Gabinete do Comando da Aeronáutica (GABAER), foram fundamentais  para um entendimento dos Governos Federal e Municipal sobre a área, que  esteve em litígio por 77 anos.   O secretário pontuou sobre as dificuldades de um campo de aviação  no meio do bairro e afirmou que  o Campo de Marte não deverá ser desativado de imediato.

A área do projeto que abrigará os carros alegóricos das escolas do 2º grupo,  foi um pedido da Liga das Escolas de Samba, decorrente da alegação de que apenas as escolas do grupo especial tem lugar garantido  na Fábrica do Samba,  localizada na Avenida Doutor Abraão Ribeiro, esquina com a marginal Tietê e distante apenas mil e cem metros do sambódromo.  Já o terreno que foi cedido pelo governo municipal (na Gestão Haddad) para que as Escolas de Samba do 2º Grupo  construíssem seus barracões tem  50 mil metros quadrados próximo ao Shopping Center Norte, na Vila Guilherme, fica há três mil e novecentos metros do Sambódromo.  O local chegou a ser reivindicado pela comunidade para a construção do Fórum de Santana, hoje na Casa Verde.

ANHEMBI: SÓ PREJUÍZO  ===  Na continuidade,  Cláudio Carvalho foi taxativo  “o Anhembi só gera prejuízos para o governo.  Por baixo, a despesa mensal é de 1 milhão de reais.”  Comparou a  decadência do espaço com a moderna e lucrativa  estrutura do SP Expo, administrados pelo grupo francês GL Events.   De acordo com Carvalho, a iniciativa privada  “faz melhor, mais barato e mais eficiente”.  Além da revitalização da região,   com a privatização a Zona Norte terá 20 por cento do valor arrecadado para aplicar em melhorias na região, conforme  emenda de autoria do vereador José Police Neto, aprovada nesta semana.

Marginal Tietê ===  A  Marginal Tietê está parada no tempo  há 50 anos e  precisa ser revitalizada, da mesma forma que a Marginal Pinheiros foi. A Marginal Tietê conta com uma localização privilegiada e é  próxima de tudo, do aeroporto, da rodoviária e  das  principais estradas.   Carvalho  lembrou do desenvolvimento dos pólos das Avenidas Paulista,  Berrini e Chucri Zaidan e o esquecimento sofrido pela  Zona Norte, que precisa de  investimentos e a revisão dos gabaritos que limitam a construção dos prédios em 3 andares, porque  “amarra” o progresso da área e que o  mercado imobiliário tem o poder de redesenha a cidade .

BOVESPA === Neste ponto, o vereador Police Neto interveio para lembrar que no governo Kassab a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) planejou se  transferir para Santana do Parnaíba (local onde hoje está sua base tecnológica), já que o município vizinho  oferecia uma série de benefícios.  No mundo, tradicionalmente as Bolsas de Valores  ficam instaladas em grandes capitais e São Paulo não poderia fugir à regra.  Na época Police Neto era o presidente da Câmara Municipal e em dois meses conduziu  um estudo e um decreto  que deu novos incentivos e reverteu a mudança da Bolsa  para a outra cidade.  E hoje, com os investimentos da Prefeitura para a revitalização do centro da cidade,  a base tecnológica da Bovespa é que está se transferindo para cá.

Revitalização do Centro ===   Carvalho lembra que a movimentação da Prefeitura para revitalizar o centro, já está gerando resultados. A  Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos Privados — CETIP,  hoje em  Barueri está de mudança para o  centro de  São Paulo e está investindo  100 milhões de reais na reforma de quatro prédios na região.    Ainda sobre o potencial da Zona Norte,  Cláudio Carvalho reafirmou que a região poderá abrigar mais empresas,  prédios e até um novo shopping de médio tamanho. E que através do diálogo com a sociedade, novos decretos podem ser criados, para acelerar o desenvolvimento da região.

PLANO PLURIANUAL  E A ZONA NORTE ===    Police Neto reafirmou  que  o  momento é único.  Pela primeira vez, as ferramentas de desenvolvimento para a Zona Norte já estão aprovadas e é preciso arquitetar o que será feito nos próximos três anos.  Explicou a importância  da PL 687/217, que estipula o Plano Plurianual  – Quadriênio 2018/20121 , que vigorará durante toda a gestão  Doria  e no primeiro ano da gestão de seu sucessor.

SEM CORREDOR DE ONIBUS NA BRAZ LEME === Police explicou que a Avenida Braz Leme é uma espécie de parque linear e que   um projeto pretendia criar um corredor de ônibus no local  – com o intuito de diminuir o trânsito e melhorar a mobilidade da região e estava previsto  no texto do PL 687/2017 –  Item 3009 Mobilidade Urbana – Ação 1009.   Police foi procurado por moradores da região e após estudar a questão e os impactos negativos do corredor de ônibus na área e   criou uma emenda ao PL 687/2017  – Proposta nº 300265 PPA 2018-2021, que exclui a ação n. 1099.   Ele lembrou que a manifestação popular, externando o que realmente quer  para a sua região, foi a alavanca para a mudança na lei.

TÚNEL DA CRUZEIRO DO SUL ===  Outra proposta apresentada por Police  ao PL 687/2017 ,   beneficiará a região Norte.   A Proposta 300271 PPA 2018-20121 prevê a implantação da ligação viária entre as avenidas Cruzeiro do Sul e Engenheiro Caetano Álvares.  Police lembra que existe o projeto e a obra foi licitada (no governo Kassab e que o governo Haddad a deixou de lado).

EIXO DE DESENVOLVIMENTO ===      Emenda aprovada do vereador Police Neto  na lei que revisou a cobrança de ISS proposta pelo prefeito Doria acrescentou ao texto incentivos para as empresas que se instalarem na Zona Noroeste – Avenida Raimundo Pereira de Magalhães e Rodovia Anhanguera – e no entorno do Rodovia Fernão Dias. Os incentivos deverão atingir o IPTU, ITBI e ISS da construção para prestadores de serviços, estabelecimentos comerciais e industriais e associações de defesa de direitos sociais, sem fins lucrativos, que promovam programas de habitação de interesse social, instalados ou que vierem a se instalar na região incentivada.

MÍSEROS 6% DE INVESTIMENTOS === Police pontuou sobre o efeito indireto dos incentivos  “se as pessoas encontram empregos no próprio bairro além de terem mais tempo porque precisarão fazer menos deslocamentos ainda consomem mais no próprio bairro, fazem o dinheiro girar na própria região”.  Nos últimos 20 anos, a  média de investimentos na Zona Norte foi menos de 6% do total investido nas outras três regiões da cidade.

ARCO DO TIETÊ  ===  Sobre o Arco Tietê, projeto da gestão Haddad que previa um plano de desenvolvimento em área ao norte e ao sul do eixo do rio Tietê.  O projeto foi enviado para a Câmara Municipal há 15 dias do final do governo Haddad (em dezembro de 2016) e  retirado da Câmara em maio de 2017, a pedido do prefeito Doria, sem chegar a ser discutido em plenário.  Police Neto afirmou ser de suma importância, rearticular o reenvio do projeto para a Câmara Municipal e se isso não acontecer,  validar os benefícios urbanísticos dos Eixos, aos corredores da Zona Norte.

A PLATEIA SE MANIFESTA  ===  A última parte do encontro foi aberta para que presentes fizessem perguntas.  Questões como a situação das  50 empresas que operam dentro do Aeroporto Campo de Marte.  O DiárioZonaNorte lembra que, embora  não possua linhas aéreas regulares, ele é o 5º em movimento operacional de aeronaves no Brasil. De acordo com dados da Infraero, no ano de 2016 foram realizados 71.527 pousos e decolagens, cerca de 200 operações diárias.  As 71.527 aeronaves que pousaram no terminal no ano passado transportaram 125.395 passageiros. A média mensal de pouso e decolagem de 2016 foi de 5.960 movimentos, sendo que 56,2% referem-se às operações com helicópteros. O aeroporto possui infraestrutura que permite pouso e decolagem noturnos em uma pista de 1.600 metros, e um heliponto.    O secretário Carvalho lembrou que o ideal seria transferir a operação do Campo de Marte para outros aeroportos na Grande São Paulo, como o Catarina Aeroporto Executivo em São Roque (70 km da capital).

MUDANÇA NO GABARITO === Outra questão colocada por vários integrantes da plateia, foi a do gabarito. Sem a mudança das regras que determinam a altura máxima das edificações, não existe atrativo para que construtoras  invistam na região e essa alteração do gabarito é diretamente ligada ao fluxo de aeronaves do Campo de Marte.  A  Portaria 957/2015  do Comando da Aeronáutica estipulou que , em um raio de até 4 quilômetros no entorno dos aeroportos brasileiros (região conhecida como Área Horizontal Interna), o limite de altura para construção de obstáculos (prédios, antenas e torres) é  de 45 metros a partir do nível da pista – o equivalente a um edifício de 15 andares. A portaria  diminuiu o gabarito do Campo de Marte em  100 metros. Uma das brechas para escapar da imposição dos 45 metros é usar o que a Portaria 957 define como “efeito sombra”. Em um raio de até 150 metros de um edifício já construído ao redor de Congonhas, por exemplo, será possível erguer um prédio com altura intermediária entre os 45 metros que passarão a valer e os 62 metros da antiga regra. Ou seja, o adensamento vertical que  já existente ali vai permitir driblar o novo gabarito.

Antes do encerramento, o vereador Police Neto reafirmou que várias decisões serão tomadas nos próximos três anos. E que para que sejam satisfatórias para a região, a população precisa se manifestar. A partir dos próximo ano, novos encontros deverão ser marcados para maior participação da Zona Norte.

Para ver a cobertura fotográfica completa do evento: clique aqui

CN Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora