Nascer, viver e morrer. Essa é a lei natural da vida. Uns vivem mais; e outros menos, nas circunstâncias da existência. O mais triste é quando chega ao final. Além do sofrimento, as famílias recebem o “troco da existência”, com as burocracias, “as dores de cabeça” e os gastos de velórios e sepultamento.

Há dois caminhos naturais, preservando os rituais de algumas religiões, que levam ao enterro  natural do corpo embaixo da terra e de túmulos; ou a opção de cremação, após 72 horas – isto por causa da “catalepsia patológica”, que é uma doença rara com membros rígidos e imóveis no corpo que pode levar horas, com a pessoa consciente.

“Desta vida, nada se leva”, é uma verdade traduzida dos conceitos populares. E a vida pode ser útil após a morte para o desenvolvimento da Medicina e principalmente no auxílio de pessoas doentes ou em tratamento, até na busca da cura de cânceres. “Se nada se leva da vida”, o corpo pode ser aproveitado como um recurso de “ser útil” pelo lado voluntário e desconhecido do doador. Ou como classificam, “um bem para a humanidade”. Pode-se até afirmar que é uma ajuda ao meio ambiente e à cidade, nos espaços de cemitérios — e custos de manutenção.

A doação do corpo === Em São Paulo, há o Programa de Doação de Corpo para Estudo Anatômico, desenvolvido pelo Departamento de Anatomia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP). Essa possibilidade de doação está no Código Civil Brasileiro, no artigo 14 da Lei 010.406.2002, onde declara que “ “é válida, com objetivo científico ou altruístico, a disposição gratuita do próprio corpo, no todo ou em parte para depois da morte”.

Desta forma, o programa aceita doações de cadáveres. Isso significa que, após o falecimento, o corpo ficará no laboratório de Anatomia  para efeitos didáticos. Com isto, os futuros profissionais da área da saúde (Medicina, Odontologia, Enfermagem, Nutrição, Farmácia e Bioquímica, Terapia Ocupacional, Educação Física, Esporte, Ciências Fundamentais da Saúde, Psicologia, Fisioterapia e Fonoaudiologia) poderão estudar e fazer experiência na disciplina de Anatomia Humana.

Uma ajuda para a Medicina === Segundo os médicos e professores da USP, “embora haja os avanços e ampliação da tecnologia relacionada às imagens para uso educacional, a utilização do cadáver para efeitos didáticos, não deve ser ignorada e é imprescindível, uma vez que cirurgias, diagnósticos e prognósticos realizados pelos diferentes profissionais das áreas relacionadas à saúde, devem ser corretamente executados e interpretados”.

No entanto, o material humano para estudo, está cada vez mais raro de ser disponibilizado, o que compromete a qualidade do ensino oferecido. Por este motivo, a exemplo de como é realizado em outros países, a USP  promoveu  a campanha voluntária de corpo para o estudo anatômico, para que através dos corpos doados na continuidade e aperfeiçoamento para formar profissionais com elevado grau de conhecimento da Anatomia Humana para sua atuação profissional em toda nossa sociedade.

O que é doar o corpo? === Significa que após o seu falecimento o seu corpo não será enterrado nem cremado, mas sim ficará no  Laboratório de Anatomia da USP, onde será estudado pelos alunos de graduação e pós-graduação, com todo o respeito e gratidão que merece, com isso melhorando a qualidade do ensino, e dos futuros profissionais. Para não putrefar ou degenerar, são utilizadas substâncias químicas a base de glicerina, que conservam e mantém o corpo em condições ideais e seguras de manuseio.

O que é necessário para doação de corpo? ===  Para doar o corpo é necessário ser maior de 18 anos e tenha a intenção de fazê-lo. Se for menor de 18 anos precisará do consentimento dos responsáveis legais.

Existem gastos para o doador e sua família? === Não existem gastos para o doador nem para seus familiares.  Apenas se a família decidir fazer o velório antes da doação (o que não impede que após as homenagens, o corpo seja doado), os custos desse deverão ser pagos para a agência funerária contratada. Ou se o óbito ocorrer fora do município de  São Paulo, o transporte do corpo deverá ser custeado pelos familiares. De qualquer maneira, a USP não retira o corpo, apenas recebe.

Pode-se doar órgãos para transplante e o corpo para estudo anatômico? ===  Sim. A doação de órgãos para transplante será realizada anteriormente, assim que constatado o óbito e será utilizado para salvar vidas.  Os órgãos e estruturas não doadas para transplante serão encaminhados ao departamento de Anatomia, depois de ser realizado o velório e serão utilizadas para o conhecimento, a aprendizagem dos futuros profissionais.

Quanto tempo o corpo permanecerá no laboratório? === Esse prazo é variável. Há corpos há mais de 50 anos que contribuem para o ensino. O material humano é raro e rico em detalhes que permitem o enriquecimento do conhecimento.

O que será feito com o corpo após o mesmo ser utilizado para estudos? ===  Após ser completamente estudado e ter contribuído de forma magnífica ao desenvolvimento profissional dos alunos, este corpo ou parte dele poderão permanecer no Departamento de Anatomia por tempo indeterminado, ou sepultados no jazigo do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo.

Os familiares terão acesso ao corpo? ===  Não. O acesso é permitido apenas aos alunos, professores e técnicos do laboratório do departamento de Anatomia.

Algum tipo de doença ou idade impedem de ser doador? === A USP não poderá aceitar doação de corpos de indivíduos com doenças infecto-contagiosas e ligados a mortes violentas, incluindo suicídio.

Há alguma recompensa por doar meu corpo? ===  Financeira não receberá, está estabelecido em lei.

Como garantir que meu corpo será doado? === A efetivação da doação é dependente da comunicação dos familiares com a USP quando ocorrer o óbito. É importante que você discuta e informe seus familiares sobre esta decisão, para que quando constatado o óbito, um dos familiares faça a comunicação à USP  e assim haja providências para receber o corpo. Caso os familiares não estejam de acordo com a decisão ou não informar, o desejo não será concretizado. Na ocasião da ocorrência do óbito, a USP se reserva ao direito de avaliar se poderá de fato receber o corpo, em vista da capacidade física do setor.

Como proceder para ser um doador? ===  Primeiro tenha certeza da sua escolha, informe seus familiares sobre sua decisão e, preferencialmente, em vida, preencha os documentos abaixo, reconheça firma em cartório das assinaturas (doador e testemunhas), e envie uma via original PREFERENCIALMENTE VIA CORREIO para: Departamento de Anatomia do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo, Av: Prof Lineu Prestes, 2415, CEP: 05508-900 – Butantã, SP.

Baixe os documentos necessários para a doação:

1) Termo de Declaração de Vontade e Testemunho de Doação Voluntária de Corpo para Estudos Anatômicos (preencher 3 vias, reconhecer assinatura em cartório e enviar apenas uma via e arquivar as outras 2 vias)  Clique aqui

2) Formulário de Registro do Doador Voluntário de Corpo Para Estudos Anatômicos (preencher apenas uma via e enviar via correio, juntamente com o Termo de Declaração de Vontade e Testemunho de Doação Voluntária de Corpo) === Clique aqui

3) Termo de Declaração de Vontade de Doação Voluntária de Corpos/Membros por TERCEIROS para Estudos Anatômicos — Clique aqui: 

4) Termo de Declaração de Vontade de Doação Voluntária de OssosClique aqui

Mais informações:

Doação de Corpo para Estudo Anatômico – ICB/USP:

WhatsApp – (11) 9-9338.0736 – e-mail doacaodecorpo@icb.usp.br

Telefone: (11) 3091.7226

<< Com apoio de informações/fonte: Instituto de Ciências Biomédicas – ICB (Biomédicas III) – Universidade de São Paulo-USP >>

 

Organicos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora