por Aguinaldo Gabarrão (*)

Ao redor da mesa mãe, filhos e netos dividem, entre pratos e conversas, o seu cotidiano de pequenos dissabores, situações de relacionamento e problemas familiares. Até aí, nada muito diferente de um almoço em família, comum a muitos lugares desse nosso pequeno mundo. Mas, uma revelação de grande impacto fará com que aquele encontro prosaico traga à tona sentimentos repisados e novos rumos para suas personagens.

A principal interessada pelos fatos revelados é Rosa, uma mulher que almeja a perfeição como profissional, mãe, filha, esposa e amante. Filha de intelectuais e mãe de duas meninas pré-adolescentes, ela se vê pressionada pelas duas gerações que exigem que ela seja engajada, moderna e onipresente.

“… mãe: aquela que não sabe de nada!” ===  O roteiro desenvolvido pela diretora Laís Bodanzky (Bicho de Sete Cabeças) e Luiz Bolognesi (Bingo, o Rei das Manhãs), foi escrito e pensado de acordo com a realidade de uma típica família de classe média. Lá estão presentes os embates entre gerações (avó, mãe e filhas), as dificuldades de conquista profissional e um relacionamento com fortes sinais de desgaste.

Todos esses ingredientes poderiam formatar uma história sem grandes novidades, não fosse a habilidade da diretora em explorar no subtexto (o que está por trás do texto, as intenções) e na boa fotografia de Pedro Márquez, possibilidades interessantes para o universo da personagem Clarice (a mãe) e de Rosa (a filha).

“Que imagem você tem do seu pai?” ===  A atriz Maria Ribeiro (Rosa), com seu estilo de interpretação já conhecidos em outras produções (Tropa de Elite I e II), firma-se como protagonista desse drama.   Todos do elenco se alinharam à proposta da diretora, mas é Clarisse Abujamra (Anjos do Arrabalde) que interpreta Clarice, quem, definitivamente, catalisa a atenção. Com domínio do seu trabalho diante da câmera, a atriz apresenta a mulher forte, mas ao mesmo tempo sensível, que não se deixa fragilizar pelos acontecimentos que a aguardam.

O filme “Como Nossos Pais”, recebeu a indicação de melhor filme ao prêmio Teddy Award e continua sua carreira nas telonas de São Paulo e em outras cidades do Brasil.

Assista o trailer do filme -– clique: http://bit.ly/2ueXi1i

Visite o site do filme: http://www.comonossospaisofilme.com.br/

FICHA TÉCNICA

Como os Nossos Pais – Direção: Laís Bodanzky / Roteiro: Luiz Bolognesi e Laís Bodanzky

Elenco: Clarisse Abujamra, Maria Ribeiro, Paulo Vilhena, Felipe Rocha, Cazé Peçanha, Gabrielle Lopes, Antonia Baudouin, Gilda Nomacce, Jorge Mautner, Sophia Valverde, Annalara Prates, Herson Capri.

Fotografia: Pedro Márquez / Gênero: – Drama / Duração: 106 minutos

Classificação indicativa: 14 anos – País: Brasil – Ano de Produção: 2017

Lançamento: 31 de agosto de 2017

SERVIÇO –  (* confirme as informações abaixo)

Centro Cultural São Paulo (CCSP) – SPCine Paulo Emílio: 19:30

Rua Vergueiro, 1000 – Liberdade (Metrô Vergueiro)

Cine Segall  –  Sala única: 17:00

Rua Berta, 111 – Vila Mariana – São Paulo

Espaço Itaú de Cinema – Augusta (Sala 04) – Sessões: 16:30

Rua Augusta, 1475 – Consolação

Reserva Cultural –  Sala 2: 15:10, 17:20, 19:30, 21:30

Avenida Paulista, 900 – Bela Vista – São Paulo

Kinoplex Itaim –  Sala 4: Platinum: 13:40

Rua Joaquim Floriano, 466 – Itaim Bibi – São Paulo


(*) Aguinaldo Gabarrão, ator e dramaturgo. Iniciou em 1989 sua trajetória profissional no teatro com o espetáculo “Halloween, o dia das bruxas”, do dramaturgo Nery Gomide. Trabalhou com diretores de diferentes estilos e gerações: Jayme Compri, Hamilton Saraiva, Eugênia Thereza de Andrade, Fabio Caniatto e Antônio Abujamra entre outros. Atua também no segmento corporativo por meio de cursos, treinamentos e palestras com as técnicas do teatro.

Nota da Redação: As críticas publicadas neste espaço são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões nelas emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do “DiárioZonaNorte” e nem de sua direção.


Organicos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora