por Conceição Lourenço (*)

Dia desses,  eu saía de casa apressada, com compromisso com hora marcada, quando a síndica me chama pra uma conversa surreal: “Conceição, quero te pedir desculpas”.

Eu parei, sem entender nada. Tenho o maior carinho por ela, a gente sempre está conversando. Se alguma coisa me desagrada, falo direto com ela, temos uma relação ótima, me confidencia coisas, e ela continuou: “ Eu sempre te chamei de ‘nega’ e hoje vi na televisão que é crime”. PQP. “Quero que você saiba que trato todo mundo assim, brancos e afrodescendentes, pra mim todo mundo é nega, é nego. Por favor, não me leve a mal”.

Caraca, quanta confusão. Não sabia o que dizer, mas respondi: “Não é assim, Silvia. Não tenho nenhum problema quando meu companheiro me chama de nega, até gosto (aliás, gosto muito). Outro dia, quando você inaugurou a academia ao ar livre, gritou de longe pra mim, que passava de carro: ‘Olha lá, nega, vai lá perder a barriga’, me ofendi por conta da minha barriga…”, rimos e… me atrasei um pouco.

Temos de tomar muito cuidado com o excesso do “politicamente correto”. A palavra, a língua são armas muito poderosas e eficazes, sim. Temos de banir algumas coisas do nosso vocabulário, principalmente por conta das nossas crianças.

Não gosto do verbo denegrir. Não gosto da expressão no jogo de: “Vamos tirar a negra”, para decidir quem ganhou a partida. Essa “negra” era um prêmio (uma escrava) dado aos ganhadores do século 17/18. Não gosto desta expressão. Não gosto de “cabelo ruim”, entre outras formas de falar.

Mas a exemplo da Silvia, a síndica, temos que tomar cuidado pra não chamar Saci Pererê de afrodescendente deficiente físico.  Ou ainda chegar na padaria e dizer que quer  um bolo de uma afrodescendente com problemas mentais, em vez de bolo Nega Maluca .

O politicamente correto é muito importante para as crianças, muito importante.  Quando eu era criança, segunda infância (dos 8 aos 15) a melhor amiga, Marilda, era bem loira, de olhos bem azuis. Na televisão passava um seriado americano Patty Duck Show que era a história de duas primas idênticas e loiras. Pois nos idos dos anos 1970, nós duas assistíamos ao seriado queríamos fazer igual, repetir as cenas. A gente acreditava que era igual. Talvez isso me fez crescer e perceber naturalmente que não éramos fisicamente iguais, tudo naturalmente… vamos tomar cuidado!

P.S.: Uma vez fui a uma comunidade quilombola no Rio de Janeiro, em uma festa (um evento). Quem organizou tudo foi um rapaz branco. Quando ele se apresentou a mim, disse assim: Você é afrodescendente e eu sou afrodependente…  achei engraçado.


(*) Conceição Lourenço — jornalista há 35 anos. Passou por diversas redações e segmentos: Revista Exame, Infantis, Diário de São Paulo, Revista Bárbara, Uma, Chiques&Famosos, Ti-ti-ti. Dirigiu a Revista Raça Brasil. Fundadora da Cal Assessoria de Imprensa. Hoje é Assessora Executiva de Comunicação na Prefeitura Regional do Pirituba/Jaraguá.  << “Crônicas da Conceição”: nos finais de semana/sábados >>


Nota da Redação: As opiniões publicadas neste espaço são de inteira responsabilidade de seus autores. Os comentários nele emitidos não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do “DiárioZonaNorte” e nem de sua direção.

Organicos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora