Um parente ou conhecido desaparecido no meio de cerca de 13 milhões de pessoas na cidade de São Paulo. Qualquer um se sente impotente e perdido sem saber por onde começar. Surge o desespero da família, a dor no coração dos pais e a apreensão de amigos. O que fazer?  Por onde começar e quais os caminhos oficiais?  Quando alguém desaparece o que devemos fazer? Se encontramos uma pessoa sem identificação no hospital, estação de transporte público, na rua ou em outras circunstâncias, como devemos proceder?

Para orientar as pessoas que se deparam com essas situações a comissão multidisciplinar que faz o acompanhamento permanente do programa “São Paulo em busca das crianças e dos adolescentes desaparecidos”, que completou cinco anos, elaborou a cartilha “Alguém desaparece ou é encontrado sem identificação – o que fazer?”. A cartilha apresenta os principais motivos para o desaparecimento de uma pessoa e quais ações podem ser adotadas por cidadãos comuns ou profissionais das áreas de saúde, segurança, entre outras. <Veja os link da íntegra da Cartilha, logo abaixo>

“Quando um amigo ou familiar desaparece você deve imediatamente registrar um boletim de ocorrência. Já ao encontrar uma pessoa desaparecida, a primeira ação a ser feita é ligar 190 e avisar a polícia”, explica o coordenador da Comissão Paulista das Crianças Desaparecidas, Marco Antonio Castello Branco.

Essa Comissão Paulista vem promovendo ações como a capacitação de agentes públicos, palestras com professores da rede estadual de ensino, anúncio com fotos de desaparecidos em prestadoras de serviços (contas e até em comprovantes dos pedágios), criando adesivos, folders, participando de comissões na Assembleia Legislativa, elaborando workshops, congressos e programas. Todo esse esforço para facilitar o registro, documentação e identificação de crianças e adolescentes desaparecidos no Estado de São Paulo.

Desde 2014 o programa conta com um banco de dados exclusivo para as pessoas desaparecidas no Estado de São Paulo. Somente no ano passado foram registradas 26,4 mil pessoas desaparecidas sendo que 24.139 foram reencontradas – sendo 2.261 pessoas que ainda eram procuradas.

Após um amplo trabalho de compilação de informações, estruturação de dados, centralização do tema e ampliação da divulgação de fotos de pessoas desaparecidas, a Comissão Paulista passará a ter um novo enfoque a partir do segundo semestre de 2017 com a adoção de novas  medidas apontadas pela lei estadual 15.292, de 8 de janeiro de 2014.

“Serão duas mudanças relevantes. A Comissão passará a trabalhar com o foco em pessoas desaparecidas e não apenas em crianças e adolescentes. A outra alteração será no objetivo da Comissão Paulista, além de atuarmos na busca por homens e mulheres que sumiram daremos atenção especial à prevenção ao desaparecimento”, destaca Castello Branco.

A comissão é formada pelos representantes das Secretarias da Justiça e da Defesa da Cidadania; da Segurança Pública; dos Direitos da Pessoa com Deficiência;  da Educação; de Desenvolvimento Social; da Saúde;  dos Transportes Metropolitanos; da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social;  da ONG Mães em Luta; e do Projeto Caminho de Volta,  além de representantes da sociedade civil.

CARTILHA === A cartilha está acessível para a população pelo link https://goo.gl/oP9N03. A Imprensa Oficial do Estado realizou gratuitamente a impressão de 1.000 unidades, que serão distribuídas pelos órgãos públicos do Estado de São Paulo.

O que fazer ao constatar o desaparecimento:

 – Tão logo perceba o desaparecimento, ligar para o 190 da Polícia Militar, descrevendo as características da criança ou adolescente e o local de onde ela desapareceu;

– Na sequência, registrar um Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia Civil mais próxima ou pela internet;

– Levar fotos atualizadas e o maior número de dados sobre a criança desaparecida;

– Antes de enviar esta comunicação é importante que você já tenha procurado nos seguintes locais: trabalho, casa de amigos, hospitais, Instituto Médico Legal (IML);

– É importante fornecer todos os seus telefones para contato, pois nenhum boletim referente ao desaparecimento de pessoa é emitido sem a entrevista telefônica feita por um policial com o requerente;

– O RG do desaparecido, se emitido pelo Estado de São Paulo, será bloqueado;

– Em caso de reaparecimento, obrigatoriamente, deve-se comunicar o encontro à Delegacia Eletrônica, na opção “Encontro de Pessoa”; e

– Encaminhar pessoalmente ou pelo e-mail pessoasdesaparecidas@ssp.sp.gov.br à delegacia de pessoas desaparecidas uma fotografia para publicar no site da polícia civil www.policiacivil.sp.gov.br

Como prevenir:

 – Não aceitar presentes nem caronas de estranhos ou de pessoas que elas não conheçam bem;

– Rejeitar doces, dinheiro, presentes e convites de estranhos;

– Nunca falar ou responder a quaisquer perguntas que estranhos façam (mesmo se eles souberem seu nome);

– Recusar ser levado por uma pessoa que você não conheça muito bem, mesmo se tiver perdido o ônibus ou estiver atrasado para ir ou retornar da escola;

– Comunicar o que aconteceu aos pais ou outro adulto de confiança. Tentar lembrar a aparência da pessoa, a cor e, se possível, o número da placa do carro;

– Saber seu próprio endereço e número de telefone, incluindo o código de área (prefixo); e

– Saber, sempre, o endereço e o número de telefone do local onde um dos pais possa ser encontrado, se for possível. 

Como orientar adolescentes

– Ter em mãos o endereço e telefone da sua casa;

– Ter em mãos o endereço e telefone de onde encontrar os pais ou responsáveis;

– Ligar imediatamente para o 190 da Polícia Militar em qualquer movimento de pessoas estranhas;

– Não manter contato via internet com qualquer pessoa estranha;

– Não oferecer informações sobre seu cotidiano, endereço e telefone via internet para estranhos; e

– Não marcar encontros em locais isolados via internet, sempre em locais públicos.

DARKO HUNTER, O SALVADOR === Quem olha para ele, nada acrescenta a não ser uma pessoa comum. Jovem, 31 anos, magro e barbudo. Sempre com seu jaleco da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), onde é funcionário. Darko Vieira Cristiano, mais conhecido como Darko Hunter, recebeu o apelido que significa “caçador“ em inglês por ser o principal investigador e chefe de departamento da D.E.L.F’D – Departamento Especializado em Localização Familiar e Desaparecidos, que ajuda famílias e moradores de rua a encontrar seus familiares. Fez parte da faculdade de psicologia, e trancou a matricula, e quer retomar junto com Filosofia.

É um serviço pioneiro desenvolvido pela SMADS e está possibilitando o reencontro de muitas pessoas desaparecidas na capital paulista. A informatização é a grande aliada da Prefeitura, que consegue cruzar dados disponibilizados pelo Ministério Público, Polícia Civil e Secretaria da Saúde. Caso o desaparecido esteja em algum equipamento socioassistencial da SMADS, como um dos 76 centros de acolhida espalhados pela capital, por exemplo, o sistema automaticamente avisa e dá a localização do desaparecido. 

O COMEÇO === “Primeiro a família entra em contato com a Prefeitura, encaminha cópia do boletim de ocorrência e uma foto para que eu possa fazer a pesquisa. Se ele estiver em um centro de acolhida, aciono os assistentes sociais para ver se o desaparecido quer reencontrar a família”, detalha Darko Hunter. E acrescenta que “muitas vezes o centro de acolhida pode estar com alguma pessoa que procura a família. Também vou atrás dessa família para ver se deseja realmente reencontrar essa pessoa”.

10 ANOS NO TRABALHO === Darko começou seu trabalho de investigação na Coordenadoria de Atendimento Permanente de Emergência (CAPE), no ano de 2007, como orientador socioeducativo, realizando abordagens de moradores de rua. Porém, queria saber mais sobre a vida das pessoas que estava ajudando, além de auxiliar aqueles que tinham perda de memória ou mesmo algum tipo de distúrbio psicológico.  “Levava para o albergue, dava assistência e procurava seu histórico para tentar localizar a sua família. Assim, descobri vários casos de desaparecidos com transtornos psicológicos, cujas famílias os procuravam. Foi então que passei a pesquisar para saber se a pessoa tinha família ou se estavam procurando por ela”, lembra ele.

Aos poucos foi aprofundando seu trabalho, Hunter ajudou aproximadamente 1.500 usuários da rede socioassistencial e,  em média,  atende 100 casos mensalmente e 40 reencontros. “No começo era difícil porque eu não tinha muitas ferramentas, mas hoje preciso só do nome da mãe, data de nascimento e o nome da pessoa, que consigo encontrar qualquer familiar no Brasil todo”, acrescenta.

MUITA PESQUISA === Em frente de vários monitores de computadores, Darko Hunter faz suas pesquisas e contatos. O D.E.L.F’D, conta com a ajuda do banco de dados da policia, da Secretaria Municipal de Saúde, do Sistema de Informação da Situação de Rua (SISRUA), além do Ministério Público, que envia casos de pessoas desaparecidas em situação de vulnerabilidade social através do Programa de Localização e Identificação de Desaparecidos (PLID).

ONDE FICA O CREAS-POP === O serviço de busca à pessoa desaparecida pode ser contatado através do Centro de Referência Especializado de Assistência Social para População em Situação de Rua – CREAS POP, localizado na Barra funda, Rua Norma Pieruccini Giannotti, 77, no telefone (11) 3392 – 2898.  . << Com apoio de informações/fonte: SMADS, EMTU e DELF´D >>

Conhece alguém que necessita desse serviço? Preencha o formulário disponível por meio do link:    http://bit.ly/2tjwJUO

Curta a página no facebook:  https://www.facebook.com/SMADSDesaparecidos/

Como fazer um B.O de Desaparecimento Online no Estado de São Paulo.:  http://bit.ly/2sOpRBA

Serviço:

Dark Hunter – Investigador social / Hacker social 

Chefe de Departamento de Desaparecidos da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimentos Social de São Paulo – SMADS Desaparecidos / DELF’D – Departamento Especializado Em Localização Familiar e desaparecidos

 E-mail:   darkohunter@delfdesaparecidos.com

Telefone fixo:  3291.9666/67 — 3291.9800 (Secretaria de Assist. e Desenvolvimento Social) – 3392.2898 (CREAS-POP)  — Celulares:  9-7549.9770 / 9-9217.8529

 

Natal 2017 CN

5 COMENTÁRIOS

  1. Boa noite, parabéns pelo trabalho maravilhoso que tive o previlegio de ver, mas vamos ao assunto.,ha mais ou menos 15 anos, o pai da minha filha Ana Caroline deseja muito encontrar o pai dela,ele morou aqui em Belo Horizonte, Minas Gerais,em nossa casa ,mas pelo fato dele ter vicio da bebidas ,e perder o controle, eu queria que ele parasse de beber, pois ele perdeu o emprego,ele e um excelente cozinheiroe salgadeiro, pizzaiolo,ele e natural do Ceara,mas foi para São Paulo,e nunca mais nos deu noticias, o nome dele e,Manoel Ednir de Oliveira,filho de Vicente Oliveira e Analia Oliveira ,por favor nos ajude,aguardo

  2. Boa noite meu nome é Ivanilde de Sousa estou procurando minha mãe nome dela é Maria Pereira dos santos Sousa única coisa q eu sei q ela mora em São Luís do Maranhão eu nunca vi minha mãe gostaria q vc mi ajudasse encontra minha mãe.

  3. Fico muito feliz pq tem pessoas no mundo como vc q se preocupar com o próximo. eu gostaria muito de um dia econtra minha mãe .pós não conheço nem um.parente de minha mãe só seu nome de minha mãe q é Maria Pereira dos santos Sousa. Nome da mãe dela era sirilia rosa dos santos nome do pai dela é julho e irmã chamada Mercedes..mi ajudem..

  4. Darco me ajude por favor achar minha mãe estou despertada por favor não sei mais oq fazer só tenho a carteira de trabalho dela

  5. Bom dia Darko,meu nome é Jaciara Santiago moro em Belo horizonte M.G tenho 32 anos.Meu irmão Anisio José dos Santos Junior de 37 anos desapareceu mês passado,dia 14/08/2017.Brigou com a esposa e abandou todos nós.Minha Mãe está desolada.A única noticia que tivemos dele foi que no dia 16/08 ele esteve numa hospedaria em São José dos Campos em S.P.
    E na sexta dia 18/08 o carro dele foi achado abandonado em Perdões no Sul de Minas. Já liguei para todos os hospitais e delegacias do sul de Minas mas não obtive nenhuma noticia dele. Te peço pelo amor de Deus nos ajude!!!Ele tem três filhos pequenos que estão sofrendo muito com isso.Ele sempre foi um homem responsável ,trabalha na mesma empresa a 20 anos,não bebe,não fuma,acreditamos que ele só pode estar pertubado pra fazer uma coisa dessa.
    Vi a matéria ontem no Profissão Reporter sobre seu trabalho e me deu uma esperança que podemos encontra-lo.
    Deus te abençoe!!!
    Muito obrigada novamente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here