São Paulo ainda nem acordou dos problemas ocorridos na 6ª feira (28/04/2017) com o que houve de paralisação comandados por sindicatos de trabalhadores, ainda contabilizando os prejuízos ocorridos com a maioria da população e em vários locais, recebe agora em Santana, na porta de entrada de vários distritos da Zona Norte, duas grandes concentrações de pessoas vindos de várias partes da cidade – até de cidades do interior — para festas comemorativas do 1º de Maio/Dia do Trabalhador. Os eventos tem como atrativos sorteios de prêmios, shows de artistas populares e atos políticos de dirigentes sindicais com autoridades convidadas. E acontecem simultaneamente por longo período, a partir das 9 horas – carregando mais de 3 milhões de pessoas em carros, ônibus e metrô. De um lado, a Força Sindical (20 anos com 2.675 entidades filiadas e 10 milhões de associados)  e, de outro, a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) — que representa 700 sindicatos, 30 federações e uma confederação.

DOIS EVENTOS PRÓXIMOS == E, desta vez, essas concentrações acontecem no feriado desta 2ª feira (01/05/2017), e ainda nos dois lugares próximos na Zona Norte/Nordeste. A partir das 9 horas da manhã (até o encerramento após as 15 horas), calcula-se quase 2 milhões de pessoas na concentração no evento promovido pela Força Sindical (com 20 anos de evento, antes em frente à sede quando era na Rua do Carmo e depois no Estádio do Pacaembu -– até ser transferido para a Zona Norte) na Praça Heróis da Força Expedicionária Brasileira – FEB e Avenida Santos Dumont, ao lado do Campo de Marte, junto à Avenida Braz Leme. Com sorteio de carros e outros prêmios, o evento promove shows com vários artistas – entre eles, Bruno & Marrone, Michel Teló, Zezé Di Camargo & Luciano, Fernando & Sorocaba e mais seis outros — e anuncia que “há 20 anos é a maior festa do trabalhador do mundo”.

FESTA NO SAMBÓDROMO === E, inesperadamente, outra grande concentração – em cálculo também acima de 1 milhão de pessoas —  vai ocorrer a poucos metros, no mesmo horário (concentração às 10 horas e início a partir do meio dia, terminando após as 15 horas), no Sambódromo do Parque Anhembi, realizado ali pela primeira vez. A Central dos Sindicatos Brasileiros  (CSB) tinha organizado e divulgado que sua festa do 1º de maio ocorreria no Memorial da América Latina, mas mudou os planos em cima da hora, na 5ª feira passada (27/04/2017). E justificou que “por causa da grande procura e para dar mais conforto e segurança aos trabalhadores” e acrescentou que foi “ em reflexo do sucesso da festa, no local que originalmente abrigaria o evento, ficou pequeno diante do grande interesse dos trabalhadores”.

RAZÕES DO NOVO LOCAL ==  Mas em seu site, a CSB deu conhecimento real: “ a diretoria do Memorial da América Latina, órgão controlado pelo governo do estado de São Paulo, e a Polícia Militar criaram inúmeros empecilhos burocráticos para tentar evitar o 1º de Maio da CSB, achando que, com isso, evitariam um grande ato político dos trabalhadores contra as reformas que cortam os direitos trabalhistas e previdenciários”.  O Sambódromo, segundo os organizadores,  “tem espaço ainda maior para receber os milhares de participantes, pois além de ser aberto ao público em geral, o evento receberá as caravanas de participantes trazidos por sindicatos de todo o estado de São Paulo” Haverá também shows com artistas, que até se repetirão nos dois eventos, como é o caso Bruno & Marrone, Zezé Di Camargo & Luciano e Michel Teló. Está previsto um ato político que ocorrerá por volta das 14 horas com a presença de dirigentes sindicais e autoridades convidadas.

LOCAIS MAIS ADEQUADOS === Há anos, os moradores e várias entidades da Zona Norte – até as representações da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) —  não demonstram que são contra as comemorações, mas reagem pelas razões, problemas de acessibilidade  e falta de infraestrutura do local – em busca de um ponto em melhores condições e sugerem o deslocamento para o Sambódromo (como ocorre agora com a CSB), estádios de futebol,  Anhangabaú, Parque do Ibirapuera e outros locais fechados com infraestruturas convenientes e adequadas. Todos são trabalhadores e com direitos preservados, mas a cidade tem seus problemas e precisa adequar as condições com os direitos a todos os moradores – principalmente em momentos de “feriado prolongado” e situações atípicas, como as de agora.

OS PREJUÍZOS == Agora são duas grandes concentrações próximas uma da outra, no mesmo dia e horário, ocasionando uma mudança radical no trânsito, já na véspera dos eventos, além de outros inconvenientes posteriores – inclusive na conservação dos canteiros, árvores e outros bens públicos. Contabiliza-se também as despesas paralelas do poder público, como os agentes e outros funcionários da Prefeitura, e a grande mobilização de Policia Militar e Guarda Civil Metropolitana. O local e essas mobilizações são despesas isentas para  os organizadores dos eventos – que não trazem nenhuma compensação ambiental, de serviços e nem financeira. Por outro lado, há a preocupação da segurança com pessoas vindas de todos os cantos, por ser um local aberto, e sem controle na realização de vistoria pessoal. E o local não tem grande infraestrutura de emergência, tendo nas proximidade somente o Pronto Socorro de Santana, com seus problemas.

MAIS EVENTOS NO LOCAL === Entre outros eventos que ocorrem no mesmo local da Praça Heróis da FEB/Av. Santos Dumont, no eixo de importantes avenidas de acesso e circulação na Zona Norte,  estão a Marcha de Jesus (que vem da Luz pela Av. Tiradentes com vários trios elétricos), recentemente o Dia da Graça da Igreja Internacional da Graça de Deus (R.R.Soares) e outros que concentram no mesmo local  de 700 mil a quase 2 milhões de pessoas – que é o caso dos shows musicais com artistas famosos patrocinados pela Nívea, que já tem programado para o próximo dia 25 de junho com Jorge Benjor e Skank (veja reportagem do DiárioZonaNorte – link: http://bit.ly/2nN2k2f   ).

PAULISTA ESTÁ PROIBIDA === A Prefeitura de São Paulo divulgou nota de esclarecimento sobre outras manifestações comemorativas ao 1º de Maio: “ a Avenida Paulista não será permitida a atividade pretendida pela Central Única dos Trabalhadores-CUT, tal qual está sendo anunciada pela entidade para o 1º de Maio, pois fere entendimento firmado com o Ministério Público, pelo qual são permitidos apenas três eventos: Parada do Orgulho LGBT, Corrida de São Silvestre e a Festa de Revéillon. A Prefeitura se dispões a ceder outro local para a realização dos shows anunciados pela CUT – como, por exemplo, o Vale do Anhangabau, onde foram realizados os eventos de 1º de Maio nos últimos anos”.

aniversario bergamini

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora