por Aguinaldo Gabarrão (*)

 

Quem acompanha no cinema a trajetória do diretor e roteirista M. Night Shyamalan sabe que a matéria prima de suas histórias tem quase sempre aspectos metafísicos, ingredientes do inconsciente e doses de terror psicológico que podem se transformar num estrondoso sucesso (O Sexto Sentido – 1999) ou numa retumbante decepção (Fim dos Tempos – 2008) ou até obter um bom resultado (A visita – 2015).

Porém, independente da bilheteria e crítica é inequívoco que sua filmografia tem uma impressão digital, única e peculiar na maneira de filmar e no desenvolvimento de seus roteiros com tipos humanos que representam um “ponto fora da curva”, seja porque demonstram possuir talentos especiais que fogem ao senso comum das pessoas ou indivíduos arredios e com dificuldades de convívio social, ao deixar de se enquadrar em determinadas tribos urbanas.

Com o filme “Fragmentado” Shyamalan acrescenta a essa galeria de protagonistas nada convencionais Kevin Wendell Crumb, possuidor de 23 personalidades diferentes que se alternam e o conduzem na tomada de decisões como o seqüestro de três jovens adolescentes, que se vêem num cativeiro e passam a conviver com algumas dessas personalidades, enquanto tentam encontrar uma forma de fugir.

Kevin recebe apoio terapêutico da Doutora Karen Fletcher, interpretada por Betty Buckley, (do filme “Carrie, a estranha” – 1976), que empresta verosimilhança à solitária terapeuta. No decorrer das sessões a pesquisadora identifica em seu paciente a existência dessas outras identidades, relacionadas ao Transtorno Dissociativo de Identidade (TDI) mais conhecido popularmente como dupla personalidade.

O diretor que também assina o roteiro, sabiamente optou por centrar o desenvolvimento da trama em cinco tipos distintos que afloram de maneira competente na interpretação do ator James McAvoy (o Fauno no filme Crônicas de Nárnia – 2005 e Professor X em X-Men: Primeira Classe – 2011).

MacAvoy foge dos estereótipos e constrói corporalmente com pequenos e expressivos gestos, o traço marcante de cada um desses seres que habitam o inconsciente de Kevin. Isso faz com que a tensão aumente na mesma velocidade com que suas múltiplas personalidades se sucedem e interagem com o meio.

O elenco ainda conta com a talentosa Anya Taylor-Joy (a Thomasin do filme A bruxa – 2015), que interpreta Casey Cook, uma das adolescentes seqüestradas. A jovem atriz consegue imprimir na sua performance, o crescente horror às descobertas de sua personagem no decorrer da história.

A produção de baixo orçamento, cerca de U$ 9 milhões, permitiu maior liberdade artística ao diretor, sem a forte pressão dos grandes estúdios. Nas bilheterias o filme atingiu cifras superiores a U$ 250 milhões de dólares e, além disso, pesadas críticas de diversos especialistas em saúde mental, que apesar de elogiarem a história, ressaltaram erros no filme, entre outros aspectos, ao mostrar o portador de TDI (transtorno Dissociativo de Identidade) com um grau de violência e periculosidade que não correspondem à realidade dessa doença.

À parte os comentários e críticas elucidativas da classe médica, Fragmentado é uma obra de ficção que recoloca o diretor M. Night Shyamalan no merecido patamar de grande diretor, por saber como poucos, a maneira de construir um roteiro com suspense na medida certa, associada a sua direção particular de atores e ao uso acertado da câmera, uma aliada do diretor que coloca o público no olho do furacão.

Assista, porque o diretor já prepara o roteiro para a sequencia de Fragmentado II, trazendo de volta as personagens interpretadas por Bruce Willis e Samuel L. Jackson no filme “Corpo Fechado”.

SERVIÇO

FRAGMENTADO –  Direção: M. Night Shyamalan

Elenco: James McAvoy, Anya Taylor-Joy, Haley lu Richardson, Betty Buckley

Duração: 117 minutos – Classificação: 14 anos

Gênero: suspense

Cinemas: UCI Anália Franco, Cinépolis Parque Shopping Maia, PlayArte Multiplex Bristol (Av. Paulista, 2064) 

Assista o trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=7l4SzfMstLE

(*) AGUINALDO GABARRÃO –  ator e dramaturgo. Iniciou em 1989 sua trajetória no teatro com o espetáculo “Halloween, o dia das bruxas”, do dramaturgo Nery Gomide. Trabalhou com diretores de diferentes estilos e gerações: Jayme Compri, Hamilton Saraiva, Fabio Caniatto e Antônio Abujamra entre outros. Atua também em treinamento corporativo, usando o teatro como ferramenta didática em sala de aula. Das peças que escreveu, atualmente está em cartaz com “Cândido, uma Poética Espiritual”.

aniversario bergamini

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here