da Redação DiárioZonaNorte

O Hipermercado Extra Tucuruvi,  na Avenida Coronel Sezefredo Fagundes n. 535 – Tucuruvi,  completou  um ano fechado e sem perspectivas  de reabrir.  A loja foi interditada  em março de 2017,  após julgamento de ação impetrada pela Prefeitura de São Paulo, por irregularidades na documentação e do não cumprimento de alguns requisitos para a edificação do empreendimento e  após sentença julgada pelo  Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (veja matéria aqui)

Desde  a construção do prédio até a  sua inauguração,  os problemas apontados pela Prefeitura – inclusive ambientais –   não foram solucionado pelo Grupo Pão de Açúcar – GPA (dono da marca) e a loja funcionou a base de   liminares, até o julgamento da ação.

A loja foi inaugurada em  7 de março de 2014, com um  investimento na época  de aproximadamente 37,5 milhões de reais em uma área de mais de 4,7 mil metros quadrados. No local foi construído um prédio comportando 24 caixas e 276 vagas no estacionamento, com cerca de 40 mil itens para o público. O Extra  informava que a nova unidade gerava mais de 350 empregos diretos e indiretos.

Questionada sobre a reabertura da loja, a Assessoria de Imprensa do Grupo Pão de Açúcar, emitiu a seguinte nota: “ A companhia está avaliando alguns cenários, mas até que haja uma definição, a loja permanecerá fechada, sem previsão de reabertura”.

Na época do fechamento, a Prefeitura Regional de Santana/Tucuruvi/Mandaqui encaminhou para a Redação do DiárioZonaNorte, uma nota de  esclarecimento com suas razões legais (na íntegra, em revisão) para o ato:  “No ano de 2012 foi protocolado nesta Prefeitura Regional Santana/Tucuruvi/Mandaqui processo  para obtenção de autorização para edificação de obra pela Companhia Brasileira de Distribuição (Extra Hipermercados – nome fantasia), na região da Avenida Coronel Sezefredo Fagundes – Tucuruvi.  Após análise pelos órgãos competentes, verificou-se o não atendimento à várias exigências legais para a concessão da pretendida autorização, fato que não foi solucionado pelo interessado até a presente data. Em, decorrência disto, e conforme previsto em lei, notificações e multas foram aplicadas contra a empresa. Da mesma forma, foi indeferido o pedido de licença de funcionamento, e o prédio foi interditado pela Prefeitura Regional. Recorrendo ao Judiciário, o grupo proprietário do hipermercado, através de mandado de segurança, alcançou a concessão de liminares que lhes permitiu funcionar até o julgamento do mérito da ação. Restou a esta administração aguardar a decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, que recentemente decidiu pela cassação de todas as liminares concedidas e, por consequência, a Prefeitura Regional, no uso de suas atribuições, interditou o local por total falta de documentação que lhe permitisse o funcionamento”. Assina a nota Rosmary Correa – Delegada Rose – Prefeita Regional Santana/Tucuruvi/Mandaqui.

Passado um ano,  durante a reunião de março do Conselho Participativo Municipal Santana/Tucuruvi/Mandaqui (veja matéria aqui), questionamos a prefeita regional Rosmary Correa, sobre a situação do prédio e ela informou que “por decisão da Justiça, ele continuará fechado” e lembrou que ali, é um terreno contaminado e que para receber uma nova edificação, precisa passar por todo um processo de descontaminação.

——

 

 

CN Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora