Neste sábado (24/03/2018), das 20h30 às 21h30, acontece mais um ano da Hora do Planeta, com  dezenas de municípios e quase 300 monumentos nos país confirmados na participação da maior campanha de proteção ambiental do planeta. Entre eles, estão as maiores cidades do país, com São Paulo, que terá o desligamento da Fonte Multimídia, no Parque Ibirapuera, e do Farol Santander; Rio de Janeiro, com o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar e Bondinho; Brasília, com o prédio da Câmara dos Deputados; além de muitas outras.

A Hora do Planeta é a maior mobilização do mundo na conscientização sobre as mudanças climáticas e já faz parte do calendário brasileiro em muitas cidades. Neste sábado (24/03), chega com uma grande novidade: pela primeira vez, a campanha terá uma estratégia de três anos, até 2020, com foco na relação entre as mudanças climáticas e a importância da biodiversidade. Para isso, todos nós precisaremos estar #ConectadosNoPlaneta, novo mote da campanha global.

O início === Desde que foi lançada pelo WWF, em 2007, na cidade de Sydney (Austrália), como um evento simbólico de apagar as luzes, a Hora do Planeta vem inspirando indivíduos, comunidades, empresas e organizações a tomarem medidas em prol da segurança climática. Dois anos após, em 2009, chegava no Brasil. Em 2017, foram ações nos sete continentes, em 187 países e territórios, com mais de 3 mil monumentos apagados. Somente no Brasil, foram 145 cidades e mais de 600 monumentos participantes, com o envolvimento de 250 mil pessoas.

Segundo o WWF-Brasil, o movimento de apagar as luzes ainda é um alerta necessário sobre os impactos das mudanças climáticas, que estão cada vez mais constantes e intensos. Prova disso é a grande quantidade de eventos extremos que ocorreram no ano passado, tal como os incêndios em Portugal e nos Estados Unidos, as inundações na Índia e os furacões Irma e Maria no Caribe. No Brasil, os desastres incluem recorde no número de queimadas, perdas na produção pela extensão do período seco e o racionamento de água que se estende pelo país, chegando primeira vez à capital federal.

“Biodiversidade e natureza sustentam nossas vidas, nossas economias, nossa saúde, nosso bem-estar, nossa felicidade. É o alicerce do nosso planeta vivo. Estamos empurrando o planeta e seus sistemas naturais até o limite. A Hora do Planeta é nossa chance de usar nosso poder, como indivíduos e como um coletivo, para exigir e agir em prol da proteção deste planeta como recompensa a tudo que nos dá”, afirma Marco Lambertini, diretor-geral do WWF Internacional.

A Hora do Planeta já parte da agenda de muitos municípios brasileiros, que veem uma oportunidade para promover a preocupação com o meio ambiente, como explica o diretor-executivo do WWF-Brasil, Mauricio Voivodic. “As cidades ou empresas começam na Hora do Planeta desligando as luzes e, nos anos seguintes, já querem fazer um pouco mais, como uma caminhada ou uma feira voltada para a sustentabilidade. É um evento muito gostoso e que traz um apelo ambiental forte, ainda mais com os efeitos das mudanças do clima cada vez mais evidentes no nosso dia-a-dia”.

Já com as participações das empresas, destacam-se o grupo de hotéis Meliá, que todo ano promove um jantar à luz de velas e divulga informações da Hora do Planeta pelos hoteis; a Nissan, que terá ações internas de conscientização sobre o Meio Ambiente e de práticas sustentáveis, com engajamento dos funcionários; o Grupo Malwee, que apagará as luzes das fábricas e lojas das 20h30 às 21h30 e, pela primeira vez em 2018, terá um Luau do Planeta no Parque Malwee, com apresentações musicais de amadores e profissionais. Os restaurantes Mc Donalds também aderiram mais uma vez à campanha e apagarão as luzes de todas as suas lojas do país, ao mesmo tempo em que farão um grande evento na sua loja modelo, localizada na Avenida Henrique Schaumann, em São Paulo.

Relação com Biodiversidade ===  A partir deste ano,  a estratégia da Hora do Planeta está voltada para a relação dos nossos hábitos com as mudanças do clima e seu impacto na biodiversidade. O  WWF divulgou recentemente um relatório mostrando que, se nada for feito em relação às emissões de gases de efeito estufa, até o final do século, mais de 50% das espécies de plantas e animais do mundo estarão sob risco de extinção local.  O diretor executivo da WWF destaca ainda que nossas atitudes diárias têm um grande potencial para a diminuição de impactos ao meio ambiente. “Cerca de 30% de todo o alimento produzido no mundo é desperdiçado. Isto significa área plantada, água, nutrientes, energia para transporte e armazenamento e muitos outros recursos que vão para o lixo e ainda geram emissões de gases de efeito estufa. A alimentação é só um exemplo. Cada atitude conta, cada escolha conta. É este o lembrete da Hora do Planeta”.

Conecte-se e inspire-se === A Hora do Planeta 2018 conta com a parceria da Associação Nacional de Escoteiros, que já vem apoiando a campanha há vários anos. Os escoteiros em todo país tiveram uma semana de atividades pré-Hora do Planeta, aproveitando a simultaneidade da data com o Fórum Mundial da Água, que aconteceu no Brasil pela primeira vez.

A Hora do Planeta 2018 trouxe ao Brasil a possibilidade de homenagear pessoas que têm uma profunda conexão com o planeta. É a seção Conecte-se e Inspire-se, que deve divulgar, semanalmente, histórias que possam servir de inspiração a todos nós. Quem define quem são esses exemplos são os próprios internautas, que podem sugerir amigos, parentes ou simples conhecidos que se encaixem na descrição #ConectadoNoPlaneta.

O que é  WWF ===  O World Wide Fund for Nature (WWF, “Fundo Mundial para a Natureza”) é uma Organização não governamental (ONG) internacional que atua nas áreas da conservação, investigação e  recuperação ambiental, anteriormente chamada World Wildlife Fund, nome oficial ainda em uso nos Estados Unidos e Canadá.

Foi fundado em 1961 na Suiça por um grupo de cientistas preocupados com a devastação da natureza.  O nome foi mudado em 1986 devido à expansão e orientação da sua atuação para a preservação do ambiente como um todo (que reflete a interdependência de todos os seres vivos), em vez de se concentrar em espécies selecionadas de forma isolada. A sigla WWF foi mantida para evitar confusões e mensagens misturadas através  de fronteiras e idiomas.

A partir da sede na Suíça a entidade se tornou uma rede mundial de defesa do meio ambiente,  com representações nos principais países do mundo. A rede é apoiada por pessoas de origens diferentes, preocupadas com o mesmo objetivo: garantir a preservação do planeta em que vivemos. É a maior organização independente do seu género no mundo, com mais de 5 milhões de associados a nível mundial, que trabalham em mais de 90 países, participando em aproximadamente 1 projeto de conservação ambiental.[1]

Com campanhas pela defesa do panda na China, hoje está em mais de 100 países, inclusive no Brasil, e atua na defesa das mais diferentes causas relacionadas com a natureza. Edita livros, revistas e cartilhas que ensinam a preservar o meio ambiente.  Combate a destruição das florestas, a caça aos animais ameaçados de extinção, a poluição e  o desperdício dos recursos naturais. <<Wikipédia>>

<< Com apoio de informações/fonte: JB Press House – SP >>


Serviço

Hora do Planeta 2018

o Data: 24 de Março de 2018
o Horário: 20h30 às 21h30
o Locais e informações:  www.horadoplaneta.org.br


 

Organicos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora