13.5 C
Sao Paulo
quinta-feira, 24 Maio, 2018
Organicos
Home Comportamento Imigrantes venezuelanos serão acolhidos em São Paulo

Imigrantes venezuelanos serão acolhidos em São Paulo

569
0

O prefeito João Doria anunciou nesta 2ª feira (02/04/2018) acordo com um grupo inter-religioso, composto por representantes de comunidades judaicas, islâmicas, evangélicas e protestantes, para tratar de iniciativas conjuntas no atendimento aos 300 imigrantes venezuelanos que chegarão a São Paulo nos próximos dias. A ação também contará com o apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Os refugiados políticos se encontram em Roraima, onde estão recebendo vacinas contra a febre amarela e tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola), antes de se deslocarem para a capital paulista.

Quando chegarem a São Paulo, serão acolhidos em dois dos 17 Centros Temporários de Acolhimento (CTAs), destinados especialmente para recebê-los: o CTA São Mateus, na Zona Leste, para onde serão encaminhadas 182 pessoas; e o CTA Santo Amaro, na Zona Sul, que acomodará 118 venezuelanos.

“Além de acolhimento, os imigrantes receberão capacitação profissional. Conseguimos o apoio de uma empresa de contact center, que precisa de pessoas que falem espanhol.  Serão treinados e terão oportunidade de trabalho”, afirmou o prefeito João Doria.

Além dos cursos para capacitação profissional, as comunidades religiosas doarão roupas, eletrodomésticos, cadernos e outros artigos para os imigrantes. “Eles receberão esses itens, além dos que serão oferecidos pela Secretaria de Assistência e Desenvolvimento Social. Queremos ampará-los da melhor forma possível”, afirmou o secretário Filipe Sabará.

De acordo com Eloísa Arruda, secretária de Direitos Humanos e Cidadania, os imigrantes chegarão em três etapas: “Receberemos três grupos de cem pessoas. O primeiro chegará no próximo dia 5, o segundo depois de 20 ou 30 dias e o terceiro grupo, na sequência. Todos receberão acolhimento adequado”, enfatizou.

Ns CTAs os imigrantes poderão tomar banho, ter acesso a refeições (café da manhã, almoço e jantar), receber atendimento social, ter encaminhamento para outras políticas públicas para regularização da documentação e saúde, além de aulas de português, atividades de lazer e cultura.

Centro de Referência == Os imigrantes que chegam à capital também podem ser atendidos em mais de sete idiomas (português, espanhol, francês, inglês, árabe, crioule, suahili, lingala, entre outros) no Centro de Referência e Atendimento para Imigrantes (CRAI), administrado pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDH).

O serviço funciona de 2ª a 6ª feira, das 8 às 18 horas, na Rua Japurá, 212 – ofertando orientação para regularização migratória, assessoria jurídica (em parceria com a Defensoria Pública da União, encaminhamentos para serviços públicos especializados nas áreas de trabalho, assistência social, saúde, moradia e educação. A equipe também atende vítimas de violações em direitos humanos, em especial de trabalho análogo à escravidão.

A pasta também conta com o projeto Portas Abertas: Português para Imigrantes – onde são oferecidos cursos em escolas municipais estruturados em módulos, com material didático próprio e aberto para imigrantes de todas as nacionalidades. << Com apoio de informações/fonte: Secretaria Especial de Comunicação-Secom/PMSP>>

Organicos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora