Oferecer a vivência de todas as etapas da montagem de um espetáculo – roteiro, iluminação, sonorização, cenário e atuação – é a proposta do “Projeto Espetáculo”, programa que integra as atividades que incluem as Fábricas de Cultura da Zona Norte, instituições da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, gerenciadas pela Poiesis.

A edição de 2017 buscou inspiração no mito de Arcádia, terra em que o amor seria possível como espaço irrestrito e comum, partindo da relação entre experiência subjetiva (amor e suas facetas) e território (espaços ocupados na cidade). O resultado final são cinco espetáculos, apresentados entre 08 e 26 de novembro nas Fábricas de Cultura Brasilândia, Jaçanã, e Vila Nova Cachoeirinha – e também no roteiro de Capão Redondo e Jardim São Luís , na Zona Sul.

O projeto é uma produção conjunta entre adolescentes e jovens entre 12 e 21 anos, orientados por educadores e diretores. A dramaturgia é construída coletivamente. Logo, os aprendizes desenvolvem os roteiros a partir de suas experiências, ideais e visões de mundo. Os trabalhos de iluminação, produção, cenografia, figurino são realizados com a participação ativa e envolvimento de todos os participantes. “No programa desse ano, partimos do princípio que, para compreender o sentimento amoroso como expressão de cada sujeito, é necessário compreender também o território social que o delimita, expande ou redime”, conta Ivan Delmanto, um dos orientadores artísticos do Projeto Espetáculo 2017.

As apresentações são gratuitas e os ingressos precisam ser retirados com uma hora de antecedência nas Fábricas. Veja abaixo a descrição completa dos espetáculos:


Oniri Ubuntu | Jaçanã | 15 a 19/11   (Foto acima – Abertura)

15/11 às 15h00; 16 e 17/11 às 15h30; 18/11 às 15h00; 19/11 às 16h00

Local: Rua Raimundo Eduardo da Silva, 138

Entrelaçando imagens de momentos históricos distintos, Oniri Ubuntu realiza uma montagem na qual ancestrais dos povos africanos estão vivos e falam de possibilidade e outros destinos aos seus descendentes brasileiros. Omama é uma pele de terra ao sul do Equador, habitada pelos Mundurobás. Em Omama, a terra, o ar, a água e o fogo são seres, têm coração e respiram. Os ancestrais desta terra também estão vivos e falam através das Oniris, as pedras da memória de Omama. Um submarino chega à pele de terra e diante dessa invasão os Mundurobás resistem.


Os Escafandristas | Vila Nova Cachoeirinha | 17, 18, 24, 25 e 26/11

17, 18, 24, 25 e 26/11 às 19h00

Local: Rua Conselheiro Moreira de Barros, 3997

A ação da peça se passa em 2057. Uma empresa está recrutando trabalhadores para cuidar do reconhecimento e restauro dos objetos encontrados nas ruínas de um prédio desativado há muito tempo. Aqueles que são escolhidos realizam a tarefa de explorar o lugar, e vão encontrando vestígios do passado. Em meio a esse processo de busca e restauro, descobrem muitas chaves de entendimento da história. Descobrem, também, um documentário feito por jovens há 40 anos, que é a chave de entendimento de toda aquela missão de busca.


 

Cidade de pedras, corpo em ruínas | Brasilândia | 23 a 26/11

23 a 26/11 às 15h00 (sessão extra dia 25/11 às 20h)

Local: Avenida General Penha Brasil, 2508

O trabalho é uma narrativa alegórica que procura refletir sobre as diversas formas assumidas pela violência patriarcal no meio urbano. Violência imposta aos corpos dos trabalhadores, à natureza, principalmente, ao corpo feminino.

Esta peça reflete o desejo de imaginar outras estruturas possíveis, recriando territórios não violados, onde possam ser ouvidas vozes das mulheres-Pauliceia que, embora sejam pedras fundamentais, são tantas vezes invisíveis nesta cidade.


SOBRE AS FÁBRICAS DE CULTURA == As Fábricas de Cultura são espaços de acesso gratuito que disponibilizam diversas atividades artísticas. Criadas com o objetivo de ampliar o conhecimento cultural por meio da interação com a comunidade, as Fábricas oferecem uma programação cultural diversificada. Em cada unidade você encontrará: cursos e atividades, bibliotecas e estúdios de gravação. << Com apoio de informações/fonte: POIESIS Organização Social de Cultura >

 

Institucional Trevo

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora