da Redação DiárioZonaNorte

O Revelando São Paulo traz  para os seus visitantes o arroz vermelho, variedade introduzida na Bahia pelos portugueses no século 16,  mas só prosperou mesmo no estado do Maranhão, onde virou  arroz-de-veneza ou  arroz-da-terra.   Apesar do nome, o arroz não é vermelho, é amendoado – na cor e no gosto, com grãos integrais e do tipo cateto (com o formato arredondado).   Ele ainda não é encontrado  em abundância e é um dos produtos protegidos pela Fortaleza do Slow Food, projeto dedicado a preservar produtos e ajudar produtores artesanais.

Nas bandas do estado de São Paulo,   a tradição de prepará-lo  vem de Cruzeiro – na época do Caminho do Ouro por volta do século 18, quando os  tropeiros cruzavam a cidade com destino a Minas Gerais ou a Paraty e, nas paradas para descanso, comiam o arroz vermelho (então muito plantado na região) com as sobras de  carne rejeitadas pelos fazendeiros.

Primeira Dama do Arroz Vermelho === Foi há 20 anos, em uma das primeiras edições do Revelando São Paulo que  Lúcia Batista – representando a cidade de  Cruzeiro, ouviu falar  do arroz vermelho e iniciou uma pesquisa para resgatar a iguaria.  O grão era utilizado em um prato típico de Cruzeiro que levava o “suã” em seu preparo. O suã é a coluna do porco.  Hoje, em reconhecimento ao  trabalho que realiza em todo o estado de São Paulo na divulgação do grão e da cidade de Cruzeiro, Lúcia é carinhosamente chamada de “Primeira Dama do Arroz Vermelho” por integrantes dos meios acadêmicos e gastronômicos.

“Quando os tropeiros  passavam na região, eles iam em uma fazendinha que tinha na época que plantava esse arroz e iam comer essa comida, porque ela dá sustância. E é verdade, se você almoçar o arroz vermelho, você não janta.  “Eu e minha amiga fomos atrás dos mais velhos, perguntamos como que fazia. Aí um contava uma versão, outro contava outra e foi enriquecendo”, explica Lúcia Batista.

Lúcia Batista

“Não tem como mudar a história,

  porque a história não muda”

A primeira vez que dona Lúcia preparou o prato foi para a família. “Fizemos do jeitinho que a história conta, acompanhado de mandioca, couve e torresmo”. O próximo passo foi levar o arroz com suã para o Revelando. E o sucesso foi tanto que, quem for a Cruzeiro hoje, pode provar a iguaria aos domingos, no Bosque Municipal.   Lúcia lembra que todos os ingredientes  utilizados  no preparo do arroz vermelho com suã são adquiridos de produtores locais. “O produto tem mais qualidade, dura mais e não tem veneno”, diz.

Alimento Funcional === O arroz vermelho é saboroso. Lúcia Batista explica  as diferenças básicas entre a variedade vermelha e a branca: o tempo de cozimento, um pouco mais demorado e a necessidade de guardá-lo na geladeira, já que o grão e perecível e dura cerca de 90 dias. A forma de preparo é a mesma do arroz branco.

Além de saboroso é um tipo de grão  integral,   apresenta três vezes mais ferro e duas vezes mais zinco que o tradicional. É rico em fibras e tem baixo teor de gordura. Também auxilia na diminuição da absorção do colesterol pelo organismo, graças à monocolina (estatina natural), substância presente em sua composição.   Os chineses já usam o extrato do arroz vermelho para auxiliar na circulação sanguínea, na digestão e nas funções intestinais. Tem  também três vezes mais ferro e duas vezes mais zinco que o arroz branco.

Sabor irresistível ===  Os visitantes do Revelando São Paulo poderão provar a versão original do prato, que Lúcia prepara:  Arroz Vermelho com suã, farofa de couve, torresminho crocante, mandioca frita e tutu de feijão.

O Revelando São Paulo, o maior e mais importante festival de cultura tradicional paulista, acontece entre os dias  29 de novembro e 3 de dezembro. Além de Lúcia Batista,  mais 80 culinaristas no Parque da Vila Guilherme/Trote  e Mart Center.  O evento é realizado pela Secretaria de Cultura do Estado, com curadoria de Toninho Macedo.

Conheça Cruzeiro ===  O único lugar  onde você pode provar o Arroz Vermelho, sem ser o Revelando São Paulo é no Bosque Municipal de Cruzeiro. O local é parte do roteiro turístico da cidade e é a Casa do Arroz Vermelho. É lá que Lucia Batista prepara a iguaria todos os domingos e atrai turistas de todos os lugares para  provarem o prato típico da cidade.

O Bosque Municipal localiza-se na Rua Sebastião Vieira da Silva, s.n., no centro do de Cruzeiro e  tem uma área de  de 4,5 alqueires de remanescentes da Mata Atlântica, em plena região central do município.  É um passeio imperdível.

Se você não conhece ainda a cidade, o provar o Arroz Vermelho é um excelente motivo. A  cidade é encantadora e possui vários pontos turísticos religiosos, ecológicos e históricos.  Para mais informações sobre atrações e roteiros, clique aqui

SERVIÇO:  Revelando São Paulo

  • Data: 29 de novembro a 3 de dezembro
  • Horário: Das 9h00 às 21h00
  • Local: Parque do Trote e Mart Center – Av. Nadir Dias de Figueiredo – Vila Guilherme
  • Entrada Gratuita
  • Culinária e artesanato entre R$5,00 e 20,00
  • Estacionamento:  entrada da Rua Chico Pontes,1.500 (esq.Av.Guilherme)

Em Cruzeiro:

Bosque Municipal

  • Domingo entre  07h e 17h
  • Rua Sebastião Vieira da Silva, s.n
  • Cruzeiro – SP, 12710-560

 

Organicos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora