Lá se vão 69 anos do nascimento do antigo 78 rotações em acetato e  quase 30 anos do declínio natural dos elepês de vinil para os CDs e fitas cassetes. Mas como tudo na evolução deixa marcas, os fãs continuam até hoje em busca dos discos tradicionais. E, segundo pesquisas internacionais, cresce no mercado dos Estados Unidos e na Europa. E a tendência é o crescimento dos toca-discos em destaque nas residências, evidentemente com as características mais evoluídas com a contribuição da tecnologia.

A mídia evoluiu e a venda, troca e compra dos discos de vinil permanece, no paralelo. Não há mais a profusão de lojas disponibilizando os discos em vinil. Mas surgiram as lojas especializadas, vendas pela internet  e também as feiras em lugares públicos – que chamam a atenção dos aficionados, com os preços também acessíveis. Nestes lugares também a importância de ter contato com outros fãs e receber informações dos expositores, que vivem o mercado no dia a dia. No Brasil, voltou a ser um mercado crescente como paixão e hobby.

NOVO PONTO === Na Zona Norte/Nordeste, surgiu um point dos tradicionais elepês bem no coração do bairro de Santana.  Neste final de semana, aconteceu pela terceira vez o Santana Rocks, bem na rua tradicionalíssima de comércio na Voluntários da Pátria, esquina com a Dr. Cézar. Através do apoio de algumas lojas – até como marketing e chamariz para novos clientes – os corredores da Galeria Santana Center (Rua Dr. Cézar, 40 ) recebeu 15 bancas em variados estilos musicais, com atrativo de chopp artesanal, refrigerante diferente de baunilha e um pick-up para experimentar e testar os elepês. “Aqui tem gosto para tudo e oferecemos um pouco disto nos variados estilos, até com relíquias”, adverte Rodrigo Alves – que nasceu há 30 anos na Rua Chico Pontes na Vila Guilherme, passou pela Vila Maria e agora mora no Barro Branco — , proprietário da Choke Discos que promove o encontro.

O organizador da feira já acertou o ponto fixo na mesma Galeria todo começo de  mês, o que já está no calendário nos próximos dias 08 de julho e 05 de agosto, sempre aos sábados das 10 às 18 horas. “Desta forma, o pessoal já fixa na agenda e avisa os amigos e fãs da boa música”, comenta Rodrigo Alves – que é administrador de empresas, fez educação física, ajuda o escritório de advocacia da mulher e tem os discos como hobby nos momentos de lazer que acabou criando vendas pela internet. “Sou um apaixonado por esse segmento, o amor foi crescendo e acabei me especializando na venda de discos até chegar a dar uma oportunidade maior para outros amigos interessados na feira”, explica ele.

UMA GRANDE PAIXÃO === Rodrigo Alves não quer parar por ai, já que tem experiências anteriores em feiras em Santo André, Guarulhos e no Beco 203 (“um bar enorme  e com mesas grandes na Rua Augusta”) e pretende criar mais atrativos. “Vou trazer lançamentos de bandas independentes aqui junto à feira, venda de fitas cassetes e criar um novo espaço aos domingos – já que a galeria fica fechada”, planeja ele. Durante as feiras, o organizador cria expectativas com sorteio de vários discos para os frequentadores e pensa em mais atrativos.

É fato. No meio das bancas, mesmo com interesse comercial, nota-se a paixão de cada expositor e as diferenças de modo de vida. Tem professor de História, barman,  agente de viagens e até um brasileiro que mora  no Texas (EUA). Clayton Rogério casou-se com uma americana, há oito anos, e foi morar na cidade americana de Austin, onde há muitas lojas de discos com grandes novidades do mercado. “Sou um apaixonado por jazz e comecei a mexer com os discos”,  e hoje tem a Maloka Discos com a supervisão de seu primo Rogério que faz as vendas de “novidades” e “pega pedidos especiais” que é enviado por despacho do Correios ou quando ele vem ao Brasil – como agora, por períodos curtos.

CONEXÃO BRASIL-ESTADOS UNIDOS === Em sua banca, logo na entrada da galeria, a Maloka Discos tem coleções exclusivas de discos que não aparecem no Brasil. Como uma coleção do 25º Aniversário de Elvis Presley, em estojo com oito discos, livros de fotos e material de colecionador mais autógrafos. O custo é alto, mas é para colecionador e de edição limitada, 700 reais. Tem cantores de jazz que não foram lançados no Brasil e muita coisa que Clayton estuda disco a disco para selecionar para venda. E lá nos Estados Unidos, ele inverte as vendas da Maloka Discos para os discos de artistas brasileiros.

Mas as caixas de plástico em várias cores, dos vários expositores, ficam montadas e perfiladas no corredor, com opções de rock, samba, reggae, jazz,  sertanejo e outros gêneros. Em cada caixa chegam mais de 300 discos bem embalados e de qualidade. Os preços variam de 10 reais a 1 mil reais, dependendo da compra há cortesias. No local, há sempre vendas de aparelhos de toca-discos nacionais e importados para as pessoas que queiram iniciar ou voltar ao vinil.

AS SENSAÇÕES DO PASSADO  === No meio de manequins nas portas das lojas, das roupas infantis ou de adulto nas vitrines, o movimento constante de fãs mexendo nos discos. Os dedos correndo capa a capa em busca do interprete de interesse ou ritmo de agrado. No meio do corredor, Lodair Campos, um segurança particular, ao lado da esposa e da filhinha:”Além de retornar no tempo, as minhas memórias de quando cheguei aqui, temos  a sensação de voltar ao lugares de nosso passado”, declarou após ter comprado três elepês de MPB – e ter ganho um outro de cortesia.

Outro frequentador da feira, o advogado Celso de Arruda Martins, define a paixão pelo retorno aos discos de vinil: “É ter várias sensações junto com o disco, desde apreciar a capa, contra-capa, livretos e o que mais portar. Mas  segurar o disco e colocá-lo no prato para ouvir aquilo que você mais gosta no seu gênero. E participar efetivamente de todo o processo com um som que parece melhor, mais nítido. É outra sensação! E ter o cuidado de preservá-lo”. E agora é aguardar a nova edição da feira.

========

SERVIÇO

4ª Santana Rocks – Feira de Discos da Zona Norte – 08 de julho de 2017

Organização: Choke Discos – Fone: 9-7484.1518 – chokediscos@gmail.com

Galeria Santana Center – Santana – Zona Norte/Nordeste

Apoio: Dengo Baby/Kids/Teens – Zurya Cabeleireiros – Stilosa Jeans e Acessórios – Mr Bud Tabacaria & Plantas Caseiras === Galeria Santana Center/R.Dr. Cézar,40 – Santana

aniversario bergamini

1 COMENTÁRIO

  1. Bela materia !!!!!
    Obrigado pelo comparecimento e pela cobertura que foi com extrema exatidão e competência.
    Estaremos sempre inovando e buscando manter a chama acesa dos fanáticos pelo vinil !
    Grande Abraço

    Rodrigo Alves – CHOKE DISCOS

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here