O prefeito regional de Pirituba/Jaraguá, Ivan Lima,  participou de reunião técnica com Vitor Levy Catex Aly,  presidente da SP Obras, para discutir o projeto da Ponte da Avenida Raimundo de Magalhães que ligará o bairro da Lapa ao de Pirituba.  O encontro aconteceu no dia 20 de julho e foi acompanhado pelas equipes de infraestrutura, desapropriações e  projetos da SP Obras.

Desde que assumiu o cargo de prefeito regional, em 02 de janeiro de 2017, o Prefeito Regional Ivan Lima tem trabalhado incansavelmente pela realização da obra, que proporcionará aos moradores de Pirituba um benefício significativo.  Para falar sobre a obra e o que foi conversado na SP Obras,  Lima recebeu a reportagem do DiárioZonaNorte.

Projeto Executivo === A boa notícia é que a obra  vai sair do papel e já se encontra em fase de preparo do projeto executivo.   A licitação já foi feita e o resultado publicado no   Diário Oficial do Município na página 67 da edição de 04/06/2016,  o vencedor da obra estimada em cerca de 199 milhões de reais foi o  Consórcio Viário Lapa – Pirituba, constituído pela EIT Engenharia S.A e Constran S.A Construções e Comércio.    De acordo com Ivan Lima, “a construção e entrega da Ponte de Pirituba é um compromisso assumido pelo prefeito João Dória. E eu vou estar na inauguração dela”.

Ivan lembrou  que  o prefeito João Dória em março, gravou um vídeo sobre o assunto desmentindo uma matéria veiculada pela Rede Globo de Televisão, que afirmava que os recursos da ponte haviam sido desviados.

Operação Urbana Água Branca === A realização da obra está vinculada à Operação Urbana Água Branca (OUAB).  Não tem ideia  do que estamos falando?  Calma, a gente explica.  Uma Operação Urbana é a denominação dada à uma área que necessita ser revitalizada.

O perímetro  da OUAB abrange  a grosso modo, áreas  na Água Branca, Perdizes e Barra Funda.  Em 2012 o projeto foi revisto e teve seu perímetro  expandido incluindo assim, a construção da Ponte da Raimundo Pereira de Magalhães.  Além da ponte, a obra inclui melhorias no viário da  Avenida  Raimundo Pereira de Magalhães e Rua John Harrison, com a construção de uma passagem subterrânea sob a Linha 8 – Diamante da CPTM (no cruzamento da  Avenida Raimundo Pereira de Magalhães com a Rua Gago Coutinho).

Transporte Coletivo === A obra deve  priorizará  o transporte coletivo, através de um corredor de ônibus saindo da avenida  Raimundo Pereira de Magalhães (Pirituba),  com a eliminação de quase todos os semáforos na ligação até o Terminal Lapa, criando um corredor expresso para os ônibus, devendo reduzir o percurso em 25 minutos –  conforme informações da Secretaria  Municipal de Serviços e Obras para o DiárioZonaNorte.

Início das obras em 2018 === O prefeito regional Ivan Lima também se reuniu  com o Secretário Municipal de Serviços e Obras,  Marcos Penido que reafirmou  que  as obras da Ponte de Pirituba deverão começar no primeiro semestre de  2018 e  o   projeto está na lista de espera  para ser votado na Câmara Municipal de São Paulo, já que os recursos para a obra serão oriundos do leilão dos Certificados de Potencial Adicional de Construção (Cepacs) e dependem da aprovação do legislativo municipal para acontecer.

Os Cepacs permitem ampliar o potencial construtivo definido pela Lei de Uso e Ocupação do Solo – popularmente conhecida como Lei de Zoneamento -, nos  terrenos localizados em áreas de Operação Urbana (perímetros  que o governo municipal quer revitalizar).

O prefeito Ivan Lima explicou que, “quando uma construtora compra os títulos, ela “adquire” o direito de construir torres mais altas e com mais unidades, tornando os empreendimentos mais lucrativos”. Os recursos arrecadados com os leilões dos Cepacs devem ser necessariamente utilizados na  região a ser revitalizada, com  abertura de ruas, construção de moradias populares e drenagem, unidades de saúde ou educação, predefinidos nas leis das  Operações Urbanas.

Leilão frustrado === O primeiro e único leilão de Cepacs da Operação Água Branca, aconteceu em maio de 2015 na gestão Fernando Haddad e  dos R$ 105 milhões previstos, arrecadou apenas R$ 9,3 milhões – menos de 9% do esperado.

O governo do Prefeito João Dória (PSDB) pretende rever todas as Operações Urbanas, assim como a forma de cobrança da outorga onerosa, outro mecanismo que  libera construções acima do limite permitido pela Lei de Zoneamento.

CN Institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora