da Redação DiárioZonaNorte

=== << Em primeira mão >> === A  Avenida Cruzeiro do Sul  desde sempre testemunhou a história de Santana, por onde passaram os trilhos do “Trenzinho da Cantareira”. Viu surgir o maior  presídio da América Latina,  o triste “Massacre do Carandiru” ,  a chegada do Metrô à Zona Norte,   a desativação e a implosão  da Casa de Detenção e o nascimento do Parque da Juventude .  Agora,  a Cruzeiro do Sul  testemunha novamente   grandes transformações no Parque da Juventude:  o aumento da criminalidade, o gradeamento  da área  institucional – onde estão localizadas a  ETC e a Biblioteca de São Paulo,  a ação desordenada do  Projeto Verdejando (que  desfigurou o premiado projeto paisagístico do parque assinado por Rosa Grena  Kliass)  e a movimentação para levar para dentro dele o Fórum de Santana  e a Unidade Operacional de Ações Especiais  da Região Norte da Capital da Polícia Militar do Estado de São Paulo.

O início do Parque ====  O Parque da Juventude   se consolidou como ícone de transformação da paisagem ao reconverter  o espaço da Casa de Detenção do Carandiru em um belíssimo parque urbano.   Em 1999, o Governo do Estado de São Paulo  promoveu um concurso  para transformar  a área em um espaço de lazer para a população.  O projeto vencedor foi o concebido pela arquiteta paisagista Rosa  Grena  Kliass  conjuntamente ao escritório Aflalo & Gasperini.  O  projeto criado por eles para o Parque da Juventude, foi premiado pela Bienal de Arquitetura de Quito em 2004.

Projeto   ===  O projeto e arquitetura paisagística   envolveu uma superfície de quase 200 mil m²,   dividido em três setores  que corresponderam a três fases de implantação da obra:  Parque Esportivo com 35 mil m²,  Parque Central com   95 mil m²  e  Parque Institucional com  120 mil  m².   Inaugurado em 2003 e concluído em 2007.  Espécies arbóreas  como Guapuruvus,  Paus-Brasil e Jequitibás-rosa, Paus-ferro,  fazem parte do projeto paisagístico, que contemplou  os usuários do parque de grandes clareiras e  áreas arborizadas, permitindo sombreamento, com árvores agindo como planos de teto, compõe o  projeto paisagístico.  Na área do  Parque da Juventude, existe ainda um bosque  fechado  para o público, com 16 mil m² . Ali estão preservados exemplares remanescentes da Mata Atlântica.

Parque Institucional === A última parte implantada no Parque da Juventude,  foi o Institucional.  Formado à partir da reconversão de uso de dois dos edifícios da antiga Casa de Detenção, transformados no prédio da ETEC Parque da Juventude e da instalação da Biblioteca de São Paulo – BSP.  O projeto paisagístico dá a área caráter de modernidade e leveza, contrastando com o “peso” da Casa de Detenção que funcionava ali  e permitindo que quem passe na Avenida Cruzeiro do Sul (a pé, carro, Metrô e ônibus) visualize os equipamentos ali instalados.

A   grande praça  de 14.400 m²,   que conecta  o Parque  da Juventude e a cidade faz um convite para que a população adentre ao espaço. A área também permite a realização de eventos ao ar livre, com a capacidade para um público de  aproximadamente 27 mil pessoas.    No lado norte da praça,   foram preservados os exemplares de  Paus-ferro,  que propiciam sombra aos  bancos instalados sobre um piso de grama e  paralelepípedos

Verdejando ===   Em setembro, a Rede Globo de Televisão escolheu a área  institucional do Parque da Juventude  para o encerramento do Projeto Verdejando,  conjunto de ações do Jornalismo e da Comunicação da Globo em São Paulo, que tem como característica estimular o plantio de árvores na cidade de São Paulo.  Uma área de  900 m²  em frente a biblioteca, recebeu cerca de 600 mudas de  árvores da Mata Atlântica.

A iniciativa é louvável, porém enfrentamos duas questões: o parque já conta  com uma imensa área verde (localizada no  parque central) e tudo que ali foi concebido (nas três áreas: esportiva, central e institucional), seguindo  um projeto de paisagismo – premiado internacionalmente e com custo para os cofres públicos.  Segundo ambientalistas,  existem outros locais na Zona Norte de São Paulo, menos charmosos e impactantes do ponto de vista de marketing, que seriam beneficiados  positivamente com a ação.  De acordo com eles, o ideal seria dividir essas 600 mudas  entre a  Vila Medeiros – local com menor concentração de árvores por habitantes da Zona Norte,  Vila Guilherme e  Jardim Brasil – igualmente carentes de áreas verdes.

Se a iniciativa foi boa, a “acabativa” não se mostrou muito feliz.   Ai  entramos na segunda questão:  o cuidado com a área.  Na visita que fizemos ao local, no dia 28  de fevereiro,  o que se viu foi um adensamento de plantas aparentemente desconectas com a proposta de se criar um bolsão de árvores.

Além de espécies originárias da Mata Atlântica, os paus-ferro nativos  da área, ficaram cercados de pés  de milho,  pés de Kalanchoe (planta da fortuna),  pés de abacate (planta originária do México),  mudas de  Hera  (trepadeira) se espalhando no solo,  pés de goiaba, vários girassóis e muito lixo.  Sacos de salgadinhos, garrafas, latas de refrigerante e cerveja, camisinhas,  papel de cachorro quente e espetos de churrasquinho.

Biblioteca Oculta ==  O adensamento e a altura da  vegetação  oculta a frente da biblioteca,  prédio que também teve sua arquitetura premiada internacionalmente,  com menção honrosa no prêmio  Asbea  e  vencedora da categoria Prêmio Construção Institucional IAB SP 2010.

De acordo com as normas governamentais,  ao contrário das ações realizadas pelo mesmo Verdejando em áreas municipais,  não houve nenhuma publicação no Diário Oficial do Estado de São Paulo, autorizando o evento  (já que a  área do Parque da Juventude é estadual) e indicando as contrapartidas que deveriam ser cumpridas pelos  organizadores do evento. Entre elas, a manutenção da área, por um período mínimo.

Gradil e Segurança  ===   O  Parque da Juventude se rendeu a necessidade de aumentar a segurança de seus usuários  e gradeou sua última área aberta, o Parque institucional, onde estão localizadas a Biblioteca São Paulo – BSP e  a  ETEC Parque da Juventude. A maior dificuldade era patrulhar a área, principalmente no período da noite — já que a empresa de segurança particular contratada teve que diminuir seu efetivo, até durante o dia.   A obra começou no final de janeiro de 2018 e o custo de  R$ 245.596,79 (duzentos e quarenta e cinco mil quinhentos e noventa e seis reais e setenta e nove  centavos) e foi executada pela Hese Empreendimentos e Gerenciamento Ltda.

Redução de horário === Em 2016, para tentar reduzir o crescente número de assaltos e roubos,  o parque reduziu em duas horas o seu horário de funcionamento.  Antes, era até as 22 horas e, desde então, passou a ser das 6 horas até as 19 horas — e até as 20 horas no horário de verão.  A maioria dos roubos e furtos  são de aparelhos celulares.

Resultado de imagem para forúm de santana

Fórum  de Santana  ===  O Foro   Regional de Santana funcionou na Avenida Cruzeiro do Sul, esquina com  Rua Darzan  até 2002, quando foi transferido para a Casa Verde em um prédio  projetado especialmente para receber o Judiciário. O prédio conta com 20 mil m² de área construída, divididos em quatro pavimentos e recebe diariamente cerca de 3.500 pessoas, além dos cerca de 650 funcionários e 41 magistrados.   O prédio é alugado e o poder judiciário  paga  R$ 900 mil reais por mês pelo prédio (exatos R$ 10,8 milhões por ano). O local é ermo e o acesso por meio de transporte público é muito difícil — fatores que poderiam ter sido observados à época da mudança.

Desde o ano de 2013, o Tribunal de Justiça de São Paulo estuda um novo local para instalar este Fórum. Em um encontro na Distrital Norte da Associação Comercial de São Paulo (ACSP-Distrital Norte), no ano de 2015 e com a presença do então prefeito Fernando Haddad,  o Tribunal de Justiça mostrou interesse na área  municipal onde hoje fica a Fábrica do Samba II, ao lado do Shopping Center Norte — nas esquinas das avenidas Otto Baumgart e Zacki Narchi —  e não teve êxito.

Fórum dentro do PJ === Em maio de 2016, o então diretor do Foro  de Santana – Juiz Maurício Campos da Silva Velho – hoje Desembargador – , viu a possibilidade de transferir o órgão para a área do Parque da Juventude.  A ideia foi debatida na ACSP-Distrital Norte  e com apoio da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB Santana e, desde então,  várias reuniões com esse intuito foram acontecendo na região.

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé

Tenha santa paciência ===  O ex-secretário do Verde e do Meio Ambiente,  vereador Gilberto Natalini, se mostrou contrário a  ideia em seu discurso no plenário da Câmara Municipal de São Paulo – no dia 30 de novembro de 2017:   “Não tem argumento que possa defender isso. Isso é um ataque frontal ao ocupar o pouco de área verde que a Cidade tem, com uma construção daquele tamanho. Já estou tomando providências, respeitando todas as instituições da região de Santana, sei que poderão ficar bravos e nervosos, no primeiro momento comigo, mas depois caindo na razão, observando as questões ambientais, as questões da sustentabilidade, à necessidade da preservação do verde, das áreas livres, da permeabilidade na Cidade de São Paulo, tenho certeza de que essas lideranças políticas, comunitárias, governamentais, da Justiça, do Tribunal de Justiça da região de Santana, vão entender que a minha posição é correta. Não é possível construir um prédio desse tamanho, seja o que for, com a causa mais nobre, inclusive o Fórum que é uma causa nobre em uma área livre, uma área verde, como o Parque da Juventude na região de Santana.  Irei conversar com os Secretários Estaduais Meio Ambiente, de Justiça, com o próprio Governador do Estado. Vou procurar as entidades OAB, Associação Comercial que está á frente da luta, todas as entidades de Santana, a Prefeitura Regional de Santana, o Sr. Prefeito, para barrar essa iniciativa. Arranje outra área. Tem muita área para construir. Em cima do Parque da Juventude? Tenha santa paciência!  Não é possível que uma pessoa hoje, na situação ambiental em que estamos na cidade de São Paulo, nesse desmonte ambiental que São Paulo vive. Não é possível que uma pessoa em sã consciência defenda, propaga a construção de um prédio imenso, em uma área verde, área livre de um parque”.

Procurada pelo DiárioZonaNorte,  a  Secretaria Estadual do Verde e do Meio Ambiente negou, em nota, qualquer tratativa do Governo do Estado de São Paulo neste sentido.  O Parque da Juventude mantém um Conselho Gestor – que é chamado de Conselho de Orientação – que tem seus membros eleitos na gestão 2016/2018 (* ver composição no final da matéria), que deve ter analisado e dado pareceres a respeito favoráveis às ações do Projeto Verdejando, além dos outros assuntos (Fórum, Base da PM, gradil e segurança – entre outros) – e  registrado em atas das reuniões.

Batalhão da Polícia Militar  ===   O Parque da Juventude deverá abrigar a sede da Unidade Operacional de Ações Especiais da Região Norte.   Já se encontra em fase de instrução, o processo administrativo que trata da  proposta de cessão de uso de um galpão, onde funcionava a marcenaria da antiga Casa de Detenção, no interior do Parque da Juventude para a Polícia Militar.

O DiárioZonaNorte continuará acompanhando os assuntos e informará seus leitores.


CONSELHO DE ORIENTAÇÃO OU CONSELHO GESTOR DO PARQUE DA JUVENTUDE  === O Parque da Juventude recebeu o Conselho Gestor, que é chamado de Conselho de Orientação, em 2012. Mas efetivamente começou a funcionar há dois anos, na Gestão 2016/2018. No decreto ficou estabelecido quatro representantes do Governo do Estado do Meio Ambiente, quatro representantes da sociedade civil e mais o coordenador de Parques Urbano, como titular, e o Gestor do Parque, como suplente. Sem direito a voto, um representante da Prefeitura Regional de São Paulo e um representante da Ordem dos Advogados do Brasil.

Atualmente, o Conselho Orientador do Parque da Juventude está composto – Governo de São Paulo: Iliria Ruiz Pilissari, Fábio Paganotto Carvalho, Claudia Milani e Osvaldo Rodrigues Sérgio – e suplentes: Amélia Junko Watanabe, Helder Augusto Bottecchia, Sofia Montagnoli Bertolini e Maria Lúcia Vieira; da Sociedade Civil: Roberto Fernando Lacerda (Mitra Arquidiocesana de São Paulo – RESA – Região Episcopal Sant´Anna), George Abraham Ayoub ( Conselheiro/Diretor e ex-Superintendente da Distrital Norte da Associação Comercial de São Paulo), Peter Aparecida de Souza ( Ordem dos Advogados do Brasil – OAB/Santana) e Rafael Eugênio do Nascimento (Instituto da Oportunidade Social-IOS); da Coordenadoria de Parques Urbanos: Gastão Donadi e Cícero Domingos (Gestor do Parque da Juventude) e suplente. 

O mandato é de 02 (dois) anos, com término agora nos próximos meses de 2018. Novas eleições devem ser realizadas até junho, com convocação pelo Diário Oficial. <Ver íntegra da Resolução nº 027 de 26 de abril de 2013, que instituiu o Conselho Gestor ou Conselho de Orientação com as normas de registro e participação – Clique no link:  http://www.ambiente.sp.gov.br/legislacao/resolucoes-sma/resolucao-sma-27-2013/ >

 

 

 

 

Organicos

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora