Vila Maria passa a ter a nova Praça  Paulo Sella Neto (Tin Tin) que substitui a Praça General Milton Tavares de Souza  —  nome atuante de 1969 a 1974 e que dirigiu a Operação Marajoara na fase final da Guerrilha do Araguaia –, no Parque Novo Mundo, que está na jurisdição da Prefeitura Vila Maria/Vila Guilherme/Vila Medeiros. É uma enorme praça próxima ao Parque Oyeno e da Via Dutra.   Nela estão localizadas um espaço para a prática do skate e mais uma área de lazer. O novo nome, Praça Paulo Sella Neto ( apelido Tin Tin) é homenagem a um jovem paranaense (Londrina) de 19 anos  e  morador perto da praça desde 4 anos de idade,  que praticava o skate no local.  O jovem teve uma morte trágica ao cair da ponte na Via Dutra, em busca de uma pipa – leia mais detalhes no final do texto, na Justificativa do Projeto de Lei.

Em contrapartida, o jornal O Globo publicou em 09/03/2013 reportagem de José Casado/Chico Otávio ( “O elo da Fiesp com o porão da ditadura – link: https://glo.bo/2f2dlcV ), que mostra o envolvimento de empresários da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp) com o governo militar de 1964,  contribuindo com apoio e recursos. O empresário mineiro Nadir Dias de Figueiredo, da Zona Norte, é citado na reportagem e tem avenida em seu nome na Vila Guilherme — como outros de sua família, na região. A Nadir Figueiredo Indústria e Comércio é uma empresa fabricante de vidros. É conhecida principalmente pela fabricação de copos e outros artigos de vidro, que  fundada em 30 de agosto de 1912, localizava-se na Vila Guilherme com produção até 2009, quando inaugurou a fábrica de Suzano.

“ RUAS DE MEMÓRIA “ === Desde o governo anterior, em 13 de agosto de 2015, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania – na época comandada pelo hoje vereador Eduardo Matarazzo Suplicy —  já encaminhado o projeto denominado “Ruas de Memória” para alterar 22 lugares públicos (ruas, avenidas e praças) que homenageavam pessoas com ligações ao regime militar, de 1964 a 1985.

O processo para mudança dos nomes é através de Projeto de Lei (PL), separadamente para cada caso, encaminhada pelos vereadores da Câmara Municipal de São Paulo. Neste caso, o PL entra em duas votações; se aprovado, é encaminhado para análise e sanção do prefeito.

O DECRETO ===  O Diário Oficial da Cidade desta 3ª feira (12/09/2017) publicou a lei que oficializa o novo nome na praça da Vila Maria/Parque Novo Mundo, conforme abaixo:

GABINETE DO PREFEITO JOÃO DORIA

LEI Nº 16.701, DE 11 DE SETEMBRO DE 2017

(Projeto de Lei nº 447/16, dos Vereadores Nabil Bonduki – PT, Eduardo Matarazzo Suplicy – PT, Isa Penna – PSOL e Toninho Vespoli – PSOL)

Fica alterada a denominação da Praça General Milton Tavares de Souza para Praça Paulo Sella Neto (Tin Tin), localizada no Distrito de Vila Maria, Prefeitura Regional de Vila Maria/Vila Guilherme, e dá outras providências. JOÃO DORIA, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 16 de agosto de 2017, decretou e eu promulgo a seguinte lei:

Art. 1º Fica alterada a denominação da Praça General Milton Tavares de Souza, situada no Setor 065, Quadras 70, 72, 74, 112 e 113, localizada no Distrito de Vila Maria, Prefeitura Regional de Vila Maria/Vila Guilherme, para Praça Paulo Sella Neto (Tin Tin).

Art. 2º As despesas decorrentes da execução desta lei correrão por conta das dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário. Art. 3º Esta lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 11 de setembro de 2017, 464º da fundação de São Paulo. –  JOÃO DORIA, PREFEITO –   ANDERSON POMINI, Secretário Municipal de Justiça – MILTON FLAVIO MARQUES LAUTENSCHLAGER, Secretário do Governo Municipal – Substituto Publicada na Secretaria do Governo Municipal, em 11 de setembro de 2017. 

AS RAZÕES ===  JUSTIFICATIVA do Projeto de Lei 0447/2016 === O Decreto Nº 57.146 de 25/7/2016 institui o Programa Ruas de Memória que prevê a mudança progressiva de nomes de logradouros e equipamentos públicos municipais denominados em homenagem a pessoas, datas ou fatos associados a graves violações aos direitos humanos. 

Milton Tavares de Souza foi uma dessas pessoas que teve seu nome atribuído a um logradouro público no Parque Novo Mundo, subprefeitura de Vila Maria/Vila Guilherme: Praça General Milton Tavares de Souza. Ele foi diretor do Centro de Informações do Exército (CIE) durante o governo Médici e nessa função, foi responsável pela política de eliminação física dos inimigos do regime. Em 1969, tornou-se também responsável pela organização dos DOI-CODI em todo o Brasil, e das operações Bandeirante e Marajoara. Esta última preparou o terreno para o desmantelamento da Guerrilha do Araguaia. Faleceu em 1981 e em 2003, uma Praça de São Paulo recebeu o nome do general. 

Trata-se de uma praça pavimentada e com rampas de skate, utilizada pelos jovens moradores da região como área de lazer e de prática do esporte. A proposta de mudança do nome para Praça Paulo Sella Neto, Tin Tin, como era conhecido, é uma homenagem que a população local quer prestar a esse jovem frequentador e skatista da praça cuja história de vida está muito ligada à comunidade e cuja morte precoce, causou grande comoção. Ao mesmo tempo, elimina o nome de um dos representantes da ditadura militar iniciada em 1964. Paulo Sella Neto nasceu em 29 de abril de 1997 em Londrina, PR e com 3 anos de idade veio para São Paulo, onde passou a morar na Vila Maria, perto da praça. 

Faleceu em 17 de setembro de 2016 em consequência da queda que sofreu da ponte que passa sob a via Dutra, ao tentar pegar uma pipa. Desde cedo Tin Tin sempre teve vontade de praticar skate e ao juntar-se a um grupo de jovens frequentadores da praça, começou a buscar a evolução no skate e a mobilizar-se juntamente com o grupo da Praça, a procurar apoio e patrocínio. De acordo com depoimento de seus amigos, ele cuidava, amava e valorizava cada pedaço de grama que existe nessa praça que teve um papel muito grande em sua vida. Por essas razões, o nome Praça Paulo Sella Neto – Tin Tin, representará a todos que até hoje ajudam a cuidar da praça para que não seja só mais um logradouro abandonado em São Paulo. É a forma de homenageá-lo e de perpetuar sua memória.

OUTROS NOMES ===  Na Zona Norte, os locais que constam no projeto de “Ruas da Verdade”:

(*) VILA MARIA =  Praça General Milton Tavares de Souza – General do exército, dirigiu a operação Marajoara na fase final de extermínio da Guerrilha do Araguaia, quando houve o desaparecimento forçado e a ocultação dos cadáveres de guerrilheiros. (Ver matéria)

(*)  SANTANA = Rua Alcides Cintra Bueno Filho – Policial e delegado do Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo (Dops) durante a ditadura, colaborou no encobrimento de casos de tortura, execução e ocultação de cadáveres.

(*) TUCURUVI = Rua Mário Santalucia — Médico-legista do Instituto Médico Legal (IML) do Estado de São Paulo, teve participação em caso de emissão de laudo necroscópico fraudulento.

Nas demais regiões da cidade:

(*) Elevado Costa e Silva – (Já alterado) — Marechal do Exército, atuou no movimento que instaurou a ditadura em 1964. Foi presidente entre 1967 e 1969. Em 13 de dezembro de 1968, promulgou o AI-5, ato institucional que agravou a repressão e a cassação dos direitos civis e políticos. O elevado fica na zona oeste.

(*) Avenida Presidente Castelo Branco — Atuou no movimento que depôs o presidente João Goulart e foi o primeiro presidente da ditadura, entre 1964 e 1967. Castelo Branco é um dos nomes da Marginal Tietê.

(*) Avenida General Golbery Couto e Silva — General do Exército, foi um dos ideólogos do movimento que resultou no golpe de 1964. Daquele ano até 1967, chefiou o SNI(Serviço Nacional de Informação), órgão de inteligência que fundamentava perseguições políticas, torturas e execuções. A via fica no Grajaú, na zona sul.

(*) Praça Augusto Rademaker Grunewald  — Almirante da Marinha, atuou no movimento que instaurou o regime ditatorial em 1964. Foi vice-presidente entre 1969 e 1974, período mais intenso de repressão, censura e cassação de direitos civis e políticos. A praça fica no Itaim Bibi, na Zona Oeste.

(*) Avenida General Ênio Pimentel da Silveira — General do Exército, foi comandante da 1ª companhia de Polícia do Exército, na Vila Militar do Rio de Janeiro, de maio de 1968 a julho de 1971, período em que morreram na unidade, sob tortura, Severino Viana e Chael Charles Schreier. Serviu no Doi-Codi (Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna) do I Exército de abril de 1972 a junho de 1974. Teve participação comprovada em casos de tortura, execução e desaparecimento forçado. A avenida fica no Campo Limpo, na zona sul.

(*) Rua Délio Jardim de Matos — Comandante da Aeronáutica, foi um dos articuladores do movimento que promoveu o golpe de 1964. Integrou o gabinete militar da Presidência da República entre 1964 e 1967 e foi ministro da Aeronáutica entre 1979 e 1984. A via fica no bairro Campo Grande, na zona sul.

(*) Rua Sérgio Fleury — Delegado, serviu no Dops (Departamento de Ordem Política e Social) e no Deic (Departamento de Investigações sobre o Crime). Teve participação comprovada em casos de tortura, execução e outras violações aos Direitos Humanos. Foi acusado pelo Ministério Público de liderar o Esquadrão da Morte, grupo de extermínio. A via fica na Vila Leopoldina, na zona oeste.

(*) Rua Octávio Gonçalves Moreira Junior — Delegado de Polícia, serviu no Dops (Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo) e no Doi-Codi (Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna). Teve participação em casos de tortura e ocultação de cadáveres. Foi morto em 1973 por opositores da ditadura. A rua fica no Rio Pequeno, bairro da zona oeste.

(*) Rua Hely Lopes de Meirelles — Juiz e advogado, comandou a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo durante a ditadura. Conduziu o delegado Sérgio Fleury ao comando do Dops, responsável por torturas e assassinatos de presos políticos. A rua fica no Tatuapé, na zona leste.

(*) Rua Henning Boilesen  — Empresário dinamarquês, da Ultragaz, foi um dos principais empresários a financiar a Oban (Operação Bandeirantes), aparato de repressão a presos políticos durante a ditadura. Visitava o Doi-Codi (Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna) e foi homenageado por torturados que passaram a chamar um dos mais violentos instrumentos de tortura de “pianola Boilesen”. Em 1971, foi morto por opositores do regime. A via fica no Butantã, na zona oeste.

(*) Rua Senador Filinto Müller — Senador por quatro vezes entre 1947 e 1973, foi Chefe da Polícia Política durante o Estado Novo, instaurado pela ditadura de Getúlio Vargas, quando participou de operações para capturar líderes da oposição, como Luís Carlos Prestes e sua companheira, Olga Benário, extraditada e assassinada pelo regime nazista. Foi presidente da Arena, partido de sustentação da ditadura. A rua fica no Parque São Rafael, na zona leste.

(*) Rua Olímpio Mourão Filho — General do Exército, atuou no movimento que instaurou o regime ditatorial em 1964. De 1967 a 1969, foi presidente do Superior Tribunal Militar, responsável pelo julgamento de presos políticos. É outra rua que fica no Rio Pequeno, zona oeste.

(*) Viaduto 31 de março — Data da deposição do presidente João Goulart e do início da ditadura que vigorou por 21 anos. O viaduto fica no Centro.

(*) Rua 31 de março — Data da deposição do presidente João Goulart e do início da ditadura que vigorou por 21 anos. A via fica no Morumbi, na zona oeste.

===========

 

Organicos

2 COMENTÁRIOS

  1. Excelente reportagem, Paulo Sella Neto é meu filho.
    Eterno Paulinho – Tin Tin.
    Obrigado a todos.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora