Especialista em comportamento animal explica por que os cães têm o hábito de puxar os tutores durante os passeios, e ensina como treiná-los para evitar que isso aconteça.

Não é raro observar nas ruas aquela cena clássica do cão que “leva” o dono para passear, tamanha a frequência e força com que puxa a guia. É comum que donos de pets reclamem que seus cães puxam demais quando saem às ruas, mas o que eles não sabem é que é possível contornar essa questão, por meio do exercício do controle.

Quem manda – “Antes de mais nada, é fundamental que o dono mostre ao cão quem é o líder, quem está no comando. O dono que leva o cão para passear deve conduzir o trajeto, não o contrário, explica Cleber Santos, adestrador e especialista em comportamento animal da ComportPet (*).

Segundo ele, o momento do passeio deve ser prazeroso tanto para o pet quanto para o dono. “Geralmente, se o cão começa a puxar a guia, o passeio torna-se desagradável para ambos, pois o dono acaba aplicando uma força exagerada para manter o controle sobre o cachorro, e o animal, por sua vez, se cansa com mais facilidade, ficando ofegante rapidamente”, complementa.

O especialista ensina o que fazer para evitar que o cão puxe com frequência:

Escolher bem a coleira: Existem vários modelos de coleira disponíveis, e, de acordo com Cleber, nem todos são adequados para todos os cães. “A coleira mais tradicional é a de pescoço, para a qual não costuma haver restrição de porte e raça. No entanto, é preciso tomar cuidado ao colocá-la para que não enforque o animal, e ao mesmo tempo não fique folgada o suficiente que o cão possa escapar”, explica.

Outro tipo de coleira é a peitoral e, segundo o especialista, ela não é indicada para cães que tendem a puxar o dono. “Nessa coleira, não há nenhum controle sobre a cabeça do animal e isso facilita que ele puxe mais ainda o dono. Em geral, são mais indicadas para cães de pequeno porte, que não têm a força física suficiente para deslocar o dono”, explica.

Segundo ele, há ainda o enforcador, também chamada de coleira de obediência. “Pode ser uma opção para os cães de grande porte que puxam, pois uma vez que a coleira é tensionada causa um desconforto no animal, sem machucá-lo. No entanto, ele alerta que é preciso usá-la com cuidado e critério, para não haver risco de causar lesão. “Não sou a favor de seu uso constante. Ela só deve ser usada temporariamente e apenas com o acompanhamento de um especialista em comportamento animal”.

Mudar de direção: O dono deve caminhar normalmente, incentivando o cão a passear ao seu lado. Se o pet acompanhar a caminhada sem puxar a guia, o tutor segue andando normalmente, recompensando-o com carinho ou petiscos durante o passeio. Se o cão começar a puxar a guia, o condutor deve mudar de direção imediatamente, fazendo uma volta de 180 graus no sentido oposto. “Essa mudança impedirá que o cão chegue aonde deseja, consequentemente evitando que arraste o dono pela guia. Com o tempo, o animal vai aprender que, a cada vez que ele puxa a guia, o passeio muda de direção”.

Parar de caminhar (“Seja uma árvore”): A cada vez que o cachorro puxar, o dono deve parar de caminhar e ficar parado (“ser uma árvore”). “Não importa o quão forte o cão puxe, não deixe que ele siga na direção que quer. “Se o cachorro puxar e o tutor segui-lo, ele aprenderá que puxar é uma maneira eficaz de ir a algum lugar, e passará a se sentir o líder”.

Usar o método da guia solta: A cada vez que o cão puxar, o dono deve parar de andar, aguardar a guia ficar folgada novamente e dar uma recompensa. “O importante é não puxar a guia de volta, o que é a resposta natural”, comenta o especialista.

Segundo ele, uma guia de 1,5 m de comprimento já é suficiente para esse treinamento. O tutor deve soltar a guia de forma que o cão possa caminhar a cerca de um metro de distância, recompensando-o com um carinho ou um petisco a cada vez que a guia ficar solta. (Fonte: Agencia Comunicado)

(*) A ComportPet (www.comportpet.com.br)   está localizada no Jabaquara, na Zona Sul, e utiliza uma metodologia de trabalho com os animais baseada em quatro pilares: carinho, atividade física e mental, disciplina e sociabilização. Oferece uma gama de serviços que inclui desde a adaptação de filhotes e adestramento de animais adultos, até passeios em matilha para sociabilização, hospedagem, musicoterapia, condicionamento e consultoria para proprietários e pet shops. A ComportPet inaugurou em 2016 a primeira Creche e Centro de Treinamento ComportPet, na Rua Getúlio Vargas Filho, 41, no Jabaquara, em São Paulo.

aniversario bergamini

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora