por Aguinaldo Gabarrão (*)

Da cabeça de Leigh Whannell, roteirista, produtor, ator, surgiu “Insidious” (malévolo, pérfido), franquia conhecida no Brasil com o título de “Sobrenatural”, que desde 2010 tem alcançado ótimos resultados nas bilheterias: os quatro filmes custaram juntos U$ 26 milhões e, até o momento, o faturamento total da franquia chegou a meio bilhão de dólares.

Além de Leigh, outro responsável por esse fenômeno atual do gênero terror é James Wan, amigo do ator desde os tempos em que estudavam na Austrália.

A trama do destino ===  Neste quarto filme Elise Rainier (Lin Shaye) é chamada para resolver o caso de uma assombração no Novo México. O que seria apenas mais um evento ganha ares especiais quando ela descobre que o espírito malévolo está justamente na casa em que ela passou a infância. Ao lado de Specs (Leigh Whannell) e Tucker (Angus Sampson), Elise se depara com seu caso mais pessoal.

Este quarto filme segue a fórmula que deu certo. Sequencias em que outra dimensão sombria sempre recebe a visita de médiuns e, é habitada por espíritos que aguardam uma oportunidade para escaparem daquele limbo, ou tem o desejo claro de possuir os corpos dos vivos. Outro recurso usual e algo manjado, diz respeito às aparições inusitadas de figuras espectrais.

Competência e carisma ===  Porém, o charme está na personagem Elise, interpretada de forma absolutamente convincente pela carismática atriz Lin Shaye. Não há excessos em seu trabalho e ela consegue com equilíbrio apresentar o crescente terror que vem à tona, na medida em que a verdade se revela.

Em entrevista recente, Lin comentou seu prazer em trabalhar nos filmes da franquia “Insidious”. E, sobre sua personagem, neste episódio, comentou: “… nada se sabia sobre o seu passado”, e completa: “… todos os elementos que mostram a pessoa que Elise era vão em direção a Elise que conhecemos”.

O passado revelado === Mas, nem só de terror vive “Sobrenatural”. Coube à dupla Specs (Leigh Whannell) e Tucker (Angus Sampson), amigos de longa data na vida real, a tarefa de trazer o alívio cômico à história.

O roteiro escrito por Whanelli apresenta boas sacadas, como apresentar a personagem Elise quando criança, no distante ano de 1953, e esclarece características de seu comportamento e mediunidade. Outro aspecto muito interessante é a revelação quanto a natureza de algumas das sinistras aparições vistas por Elise desde a infância, cuja revelação na parte final é a grande surpresa da trama.

E os fãs e admiradores, aguardem: “Sobrenatural – a última chave”, não é o ponto final da saga de Elise.

Assista ao trailer do filme: https://www.youtube.com/watch?v=5d4HePyUsCQ

FICHA TÉCNICA

Sobrenatural – A Última Chave (Título original – Insidious: The Last Key)

Direção: Adam Robitel / Roteiro: Leigh Whannell ==  Elenco: Lin Shaye, Angus Sampson, Leigh Whannell, Bruce Davison, Josh Stewart, Javier Botet, Tessa Ferrer, Spencer Locke, Marcus Henderson.

Gênero: Terror / Duração: 103 minutos

Classificação indicativa: 14 anos / País: EUA / Ano de Produção: 2017

Lançamento: 18 de janeiro de 2018 (Brasil)

SERVIÇO

(Verifique as sessões e se o filme é legendado ou dublado)

Rede Cinemark – Rede Cinépolis – Rede Playarte – Espaço Itaú de Cinema – Pompéia


 

(*) Aguinaldo Gabarrão, ator e dramaturgo. Iniciou em 1989 sua trajetória profissional no teatro com o espetáculo “Halloween, o dia das bruxas”, do dramaturgo Nery Gomide. Trabalhou com diretores de diferentes estilos e gerações: Jayme Compri, Hamilton Saraiva, Eugênia Thereza de Andrade, Fabio Caniatto e Antônio Abujamra entre outros. Atua também no segmento corporativo por meio de cursos, treinamentos e palestras com as técnicas do teatro.

Nota da Redação: As críticas publicadas neste espaço são de inteira responsabilidade de seus autores. As opiniões nelas emitidas não exprimem, necessariamente, o ponto de vista do “DiárioZonaNorte” e nem de sua direção.


sicredi_institucional

1 COMENTÁRIO

  1. Desfruto muito deste gênero de filmes, sempre me chamam a atenção pela historia. Este filme é um dos melhores do gênero de terror que estreou. É impossível não se deixar levar pelo ritmo da historia. Os filmes de terror evolucionaram com melhores efeitos visuais e tratam de se superar a eles mesmos. Eu gosto da atmosfera de suspense que geram, e em Sobrenatural: a última chave acho que conseguem muito bem. O elenco é parte fundamental para que o filme de um medo terrível. Sobrenatural e Invocação do Mal são os melhores filmes de terror o que eu mais gosto é o terror psicológico. Se ainda não viram, deveriam e se já viram, revivam o terror que sentiram. Depois de vê-la você ficara com algo de medo, poderão sentir que alguém os segue ou que algo vai aparecer.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora