<< Exclusivo / Em Primeira Mão >> === Uma enorme praça do Jardim Guançã – que, como curiosidade, em um de seus extremos abriga as lonas do circo itinerante,  no seu miolo um enorme campo de futebol, com traves fixas e até vários bancos de madeira para conforto das torcidas –,  e  que acomoda na sua lateral os pontos iniciais de ônibus da empresa Norte Buss  – que fazem os trajetos até o Shopping Metrô Tucuruvi, na sua maioria.

Tudo isto à frente da tradicional Padaria Multipão. Um lugar aparentemente agradável e com os problemas normais de um cidade grande. Mas ali, na calçada do estacionamento da padaria, em meio aos carros, teve início — na 4ª feira passada (19/07/2017) mais uma etapa de reuniões com os técnicos da São Paulo Transportes (a conhecida sigla SP Trans), junto aos moradores, para resolver um problema que se estende para quase três meses. Mas esta “estória” tem um bom desfecho, depois de muito falatório, discussões, debates e promessas.

O SECRETÁRIO NÃO COMPARECEU === O local do encontro foi proposto pelo Secretário Municipal de Mobilidade e Transportes, Sérgio Henrique Passos Avelleda, durante reunião há duas semanas em seu gabinete da Barão de Itapetininga, no centro da cidade, para onde foi levado um grupo de moradores junto ao vereador Camilo Cristófaro (PSB). Neste dia, o Secretário chamou à sua frente técnicos da SP Trans para explicações. Mas também não se chegou a nenhuma conclusão final. E o secretário pediu uma visita técnica, in loco, para verificar o que acontecia. “Eu lá estarei porque quero conhecer o problema de perto”, argumentou.

QUEM REPRESENTA === Mas nem o Secretário e nem o vereador vieram conhecer a praça com o inusitado campo de futebol e nem experimentar o cafezinho de balcão da padaria. Mas os técnicos representaram o secretário e o Assessor Parlamentar José Paulo ouviu e falou pelo vereador. Horário marcado para 9 horas — e quase 40 minutos após –, começaram a chegar 14 representantes da SP Trans, capitaneados pelo Rodrigo Sartoratto Alencar ( Superintendente de Planejamento ), e apoio técnico e tático de Vanderley Pezzotta (Gerência de Serviços) – que já participou das reuniões anteriores – e de Elizeu Soares Lopes (Assessor Institucional), que apareceu pela primeira vez; e discretamente representando a Sambaíba,  o consultor de transportes Leandro Correa – além de um grupo de mais 10 pessoas envolvidas direta ou indiretamente com a SP Trans. Sem formalidades, já que os moradores passaram a conhecê-los nas várias reuniões.

MUDANÇA SEM AVISO === Mas a questão não está ali na praça em frente à padaria, mas um pouco adiante onde passam os ônibus da mesma empresa, que se deslocam para mais longe, o centro da cidade. Uma das reclamações o trajeto da linha 2175, que antes deixava os passageiros na Praça da Sé – que trabalham e tem compromissos naquela região e não podem pegar várias conduções, inclusive metrô. De um tempo para cá, a empresa municipal que administra e controla os ônibus urbanos de toda a cidade, que é a São Paulo Transporte (conhecida pela sigla SP Trans) resolveu cancelar a linha e remanejar seu trajeto para outros trajetos de ônibus – entre outras medidas. Os técnicos da empresa decidiram isto após várias reuniões internas, sem consultar os moradores e tão pouco fez a divulgação antecipada sobre as mudanças. Ver matéria com as linhas e itinerários  aqui 

O POVO BATE O PÉ === O tumulto se formou e houve reclamações por vários lados, inclusive em uma das reuniões do Conselho Comunitário de Segurança – CONSEG de Vila Maria, onde estava presente o prefeito regional da região, Dário José Barreto. Não deu outra: ele questionou a SP Trans, que não teve outra saída e marcou uma reunião no auditório da prefeitura regional. Foi uma reunião tumultuada, com muitas reclamações, que pode ser revista na reportagem de 31/05/2017, onde os técnicos da SP Trans admitiram que houve falha na Comunicação da empresa (veja  aqui).

Esses técnicos recolheram a papelada, colocaram em suas pastinhas, e ficaram de retornar com estudos e soluções em uma nova reunião dentro de 15 dias, mas estiveram novamente com o mesmo problema insolúvel no mesmo auditório no dia 22/06/2017. Já no final desta reunião, adentrou ao recinto o vereador Camilo Cristófaro (PSD), que pegou o microfone e bateu na tecla que o assunto tinha que ser resolvido rapidamente. (Veja aqui). E aí chegou-se à reunião com o Secretário Avelleda e mais próximo da Padaria Multipão, no Jardim Guançã.

APROVEITANDO O MOMENTO === Dali da padaria, outras rodinhas de conversas e negociações foram feitas. De um lado, os moradores reivindicando e argumentando um lado simples para a linha 2175 retornar no mesmo trajeto e chegar à Praça da Sé; de outro, os técnicos com os argumentos da pouca frequência de usuários e os custos operacionais, mostrando planilhas com números e tracejados de linhas com estatísticas. Sempre atuante e sobressaindo aos demais moradores, o  estudioso de ônibus (busólogo) Juvercy Melo, ao lado da esposa, contrapunha sobre números e itinerários. Outro momento, um morador debatia sobre o ponto inicial que deveria ser deslocado para outra praça próxima para melhor atender os moradores. Neste caso, o grupo de moradores e técnicos caminhou aproximadamente 800 metros para ir ( e mais o voltar) pela Rua Octávio Vicente Botter para se chegar até a Praça dos Bombeiros – que se mostrou inviável. Apesar do cansaço de todos, o morador da ideia aproveitou o seu momento de reivindicação inútil.

NÃO PERCA O ÔNIBUS === Conclusão do imbróglio do caso e périplo ao Jardim Guança para certificar-se de trajetos que se fazem nos mapas: a SP Trans recolocará a linha 2175 em seu antigo trajeto, mas com a condição de não chegar à Praça da Sé, por questões operacionais e de trânsito – e também na passagem de uma ou outra rua/avenida para ganhar tempo no trajeto. Decidiu-se com a concordância dos representantes dos moradores que a linha fará seu ponto final no famoso Terminal de Ônibus do Parque D. Pedro II, às margens de ruas conhecidas do centro e próximo da Praça da Sé. É melhor segurar no corrimão do que perder o ônibus, sem a costumeira linha 2175. Mesmo assim, os técnicos d SP Trans carregaram a papelada, os mapas e tomaram as medidas nas próximas horas ou quem sabe nas próximas semanas, com a condição de informar os moradores e usuários da linha 2175.

Com o friozinho que atualmente atinge a cidade de São Paulo, mas sem a calorosa e quente discussão, ao lado do cafezinho da padaria, todos sem despediram. Antes, porém, uma foto com todos os participantes em frente à inusitada Praça do Jardim Guançã, com a promessa do problema resolvido.

 

Natal 2017 CN

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here