da Redação DiárioZonaNorte    ===  

Muda o cenário e o enredo de uma tragicomédia  é o mesmo. Saindo do local tradicional do bairro de Santana e adentrando à Assembleia Legislativa, no Ibirapuera. Os representantes de alunos, professores e funcionários da UniSant´Anna estiveram em audiência pública, convocada pelo deputado estadual Carlos Giannazi (PSOL), na noite de 5ª feira (30/11/2017), no Plenário  José Bonifácio. Em cartaz, o problema financeiro da UniSant´Anna, que já vem de algum tempo e agravou-se neste ano, até com protestos na rua. Veja aqui a matéria publicada pelo DiárioZonaNorte.

EM BUSCA DE SOLUÇÃO == No plenário lotado, cerca de 90 pessoas estavam presentes na audiência pública que consumiu 2 horas e 6 minutos e foi transmitida pela Tv Alesp (ver link abaixo) e que teve as representações na mesa com os alunos, professores e entidades que  puderam colocar todas as questões da situação caótica da administração da UniSant´Anna, a pioneira no ensino superior da Zona Norte (com 53 anos dentro dos 80 anos da entidade de ensino), desde a falta de comunicação até a cobrança indevida de mensalidades.

A MESA  ===  Para compor a mesa, o deputado Gianazzi convocou os estudantes Alex Peter Silva, Deise Cristina, João Paulo, Joyce Cristina.  Para representar os funcionários, foi convidado para à mesa Rafael Fernandes Boaventura.  Também foram convidados para à mesa o advogado Gustavo Amidani Calil do SAAESP  (Sindicato dos Auxiliares de Administração Escolar de São Paulo), professor Fábio Eduardo Zambon representando o SINPRO (Sindicato dos Professores de São Paulo), além dos professores Claúdio Ricardo e Sidney Ferreira. Pelo Instituto Santanense de Ensino Superior (mantenedor da Faculdade UniSant’Anna) o advogado Rubens Alves.  Após o início da audiência, a pró-reitora Maria Betânia Placucci Bari sentou-se ao  seu advogado.

O OUTRO LADO PRESENTE === Mas a surpresa foi  exatamente o comparecimento da pré-reitora administrativa Maria Bethânia,  ao lado de seu advogado (que nem abriu a boca) repetindo as tentativas de solução para a situação financeira. Falando com lentidão, buscando as palavras, ela voltou a falar da venda de um terreno para saldar as dívidas e a retomada da administração efetiva da entidade educacional. Mas o surpreendente foi a informação que busca-se uma outra saída, “a gestão profissional”. Não se postou com uma fórmula de busca de uma solução, nem mesmo fez uma proposta concreta. Tudo foi colocado, em tom baixo ao microfone e até mostrando um jeito simples, deixando tudo no ar e sem uma perspectiva urgente.

QUASE TODOS FALAM == Na abertura do microfone para o plenário, os alunos colocaram críticas fortes aproveitando a presença da pré-reitora da UniSant´Anna. Várias reclamações em todos os pontos foram absorvidos na audiência pública. E finalizou com uma representante dos funcionários, que mostrou o outro lado do problema financeiro e administrativo. Mostrou problemas até de falta de “papel higiênico” nos banheiros e organização interna. Segundo a funcionária, o clima interno chegou às últimas consequências, até com agressões. O momento é caótico, de crise e até perigoso — foi o deputado Giannazi falou mais à frente “um caso de Policia”.

SEM TEMPO  A PERDER === O deputado Carlos Giannazi conduziu a audiência e pouco falou durante o encontro. Mas, no final, e fez um alerta sobre a gravidade do assunto  e a necessidade de uma solução rápida. “A situação é muito mais grave do que eu imaginava”, sentenciou o deputado. E foi além “eu acho que é um ato criminoso!”. Segundo ele, foram relatos gravíssimos e que entende a revolta dos alunos, professores e funcionários. “Não há mais tempo a ser perdido” e que o caminho é a intervenção.  Giannazi adiantou que é a UniSant´Anna é uma concessão pública e que levará os ofícios ao Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação, Ministério Público Estadual e Federal e outros órgãos envolvidos na área. O caso também irá à Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de São Paulo, também às Comissões do Senado e da Câmara dos Deputados — com pedidos de audiência públicas. Como a UniSant´Anna recebeu incentivos do ProUni (Programa Universidade para Todos) e FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), o deputado levará o caso ao Tribunal de Contas da União (TCU). “O assunto merece uma profunda investigação”, declarou Gianazzi.

CHAMADA PARA MAIS ALUNOS === Um outro lado levantado pelo deputado foi a abertura de matrículas para 2018, que está sendo anunciado nas páginas da UniSant´Anna, que classificou de “propaganda enganosa”. Neste caso, poderá ter também investigações por outros órgãos.  Quase encerrando a audiência pública, o deputado ainda quis passar a palavra à pró-reitora Betânia Placucci Bari  para “uma proposta concreta”, mas foi interrompido por mais reclamações no plenário. Outra funcionária levantou a questão de descontos de impostos, o que pode caracterizar “apropriação indébita”, em consequências trabalhistas.

PREJUIZO A TODOS === Insistindo com “uma proposta concreta”, o deputado passou a palavra para a representante da UniSant´Anna.  Mas Maria Betânia pegou o microfone para pedir um tempo antes do encaminhamento aos órgãos estaduais e federais, e convidou o deputado para fazer uma visita à entidade para conhecer o outro lado. “Me dê ouvidos, deputado”. O que o deputado negou: “eu não vou até lá porque ficou claro que não há necessidade”. E Betânia ainda  disse que os relatos deixavam dúvidas. E o deputado reagiu “Então, todos aqui são mentirosos?”. E a pró-reitora ainda tentou desculpar-se pela situação que “estou  lutando por uma solução e defendendo uma causa, com caráter”. E ainda deixou no ar uma ameaça: “Antes que vire um prejuízo maior para todos!”.

DOSSIÊ PREPARADO === Desta forma, o deputado Carlos Giannazi solicitou a colaboração dos representantes de alunos, professores e funcionários para que se reúnam e a Comissão monte um dossiê, que deverá ser entregue até 4ª feira da semana que vem (06/12/2017) para os encaminhamentos às autoridades da área. No caso, o deputado deverá enviar ofícios com o pedido de intervenção ao Ministério Público do Estado,  Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, Ministério da Educação e Cultura e outros órgãos. No final, um estudante encerrou a audiência pública relatando que “ali era a última esperança e até chorou ao entrar no prédio da Assembleia Legislativa” – e fez referências à sua situação financeira e emocional, até discórdia com sua família —  e que a direção da UniSant´Anna “mexeu com os sonhos de muita gente”, que ali tenta estudar, mas com dificuldades. E pediu: “Não brinque com a gente, Maria Betânia!”. Já atrás dele um outro representante foi mais direto e objetivo: “Não há outra solução do que a intervenção, não tem saída”. Fim do ato!

sicredi_institucional

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor, entre com seu comentário
Por favor, entre com seu nome agora